Falucho: Sôdad de nôs paquêt

PorManuel Brito-Semedo,8 mai 2018 6:56

​Homenagem ao Capitão Crisanto Rufino Lopes, 87 anos

Cabá navio, cabá vapor… Cabá tud! Gent sem juíze… É nossa sina? Quem é o dono deste crime?

Êss qu’é nha terra, é Cabo Verde

Nhor Dês bta-l na meio di mar,

Nabiu di pedra ta busca rumo

Sem podê otcha-l na sê lugar

Ô mar azul, abri-m caminho

Falucho branco, trazê-m nha carta

Povo sagrado tchora quietinho

Cretcheu na peito, morna na boca

– Gabriel Mariano,

“Sina de Cabo Verde”

Desapareceram dos nos-sos mares todos os nossos navios da cabotagem, faluchos, veleiros… não ficou nem um, nem mesmo um de amostra para a geração futura. Já não há mais navios. Cabá navio, cabá vapor… Cabá tud! Gent sem juíze… É nossa sina? Quem é o dono deste crime?

Felizmente que êss nôs paquêt d’otróra perma-necem na memória colectiva das gentes das ilhas e são preservados nas nossas moedas – Belmira (5$00), Carvalho (10$00), Novas de Alegria (20$00), Senhor das Areias (50$00), Madalan (100$00) e Ernestina (200$00), recentemente re-tirada da circulação – e nas nossas composições musicais cantadas aquém e além-mar. Entre mornas, valsas e coladeiras há pelo menos quinze que falam dos nossos navios, de nôs paquêt, da nossa história.

Sôdad de nôs paquêt

Enumeremos essas com-posições:

Almeida Carvalho, Mar Azul, Barca Sagres e Ernestina (mornas dos anos 40/50) de B.Léza (São Vicente, 1905 – 1958);

Matilde (valsa de 1943) e Marlene (morna de 1949) de Silvestre Faria (Brava, 1924 – 1993);

Marlene (morna mais conhecida por “N’sta grabadu cu tudu nabiu”), Novas de Alegria e Nova Sintra (mornas dos anos 40/50), de autores desconhecidos;

Belga (morna dos anos 50/60) de Djedjinho (Brava, 1912 – 1994);

Bordo de Amélia de Melo (morna dos anos 70/80) de Armindo Pires (Santo Antão, 1950?);

Ernestina e Corveta (coladeiras dos anos 60) de Ti Goy (São Vicente, 1920 – 1991);

Ildut (morna de 1971) de Miquinha (São Nicolau, 1948);

Bartolomeu (morna dos anos 90) de Luís Lima (Santo Antão, 1952).

Ildut

O Ildut, um de nôs paquêt, era um palhabote que tinha sido comprado em Dacar pelo senhor Zézinho que serviu por largos anos as ilhas de São Nicolau, São Vicente e Sal. Ildut foi o primeiro barco de cabotagem a atracar no cais acostável do Porto Grande do Mindelo quando da sua inauguração em 1961, capitaneado por Nhô João Pedro Martins (Nhô Jôm Ped de Canja), Capitão de Ilhas e Costas.

O palhabote Ildut afundou-se a 17 de Março de 1970 nas imediações de São Nicolau, perto do ilhéu Raso . É perante a notícia desse facto que Amílcar Spencer Lopes, filho de Saninclau, e nele viajou durante todo o seu tempo de estudante no Liceu Gil Eanes de São Vicente, compõe a morna “Ildut - In memoriam”:


Ildut

‘m obi falâ

q’bô bái pa fund

q’bô perdê

dò’m um tristèza

cabò’m legria

fca morabèza

bô era d’família

Bô capitão

áse d’sê mister

bôs marinher

gente d’coração

tchêse viaja sab

iça trrtaquêt

ó Deus q’sôdad

bô era nôs paquêt.

– Miquinha, “Ildut” (Letra e música)


Cabá navio, cabá vapor… 

Cabá tud!

Gent sem juíze…

image

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 857 de 02 de Maio de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

São Vicente

Autoria:Manuel Brito-Semedo,8 mai 2018 6:56

Editado porrendy santos  em  16 mai 2018 11:50

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.