Palmarejo – uma floresta de betão

PorOndina Ferreira,23 abr 2019 6:43

​Recentemente e numa manhã, ainda bem cedo, fui bruscamente sobressaltada, com o barulho ensurdecedor de uma serra mecânica, camarária, julguei eu, a desbastar, ou melhor, a mutilar a árvore mais frondosa da vizinhança e que já lá estava desde que vim para cá morar. Duas décadas, para mais, já são passadas. Uma certa tristeza invadiu-me...

Porquê? Porque estava a ”incomodar” sua excelência o betão...

Faço-me entender, é que perto da minha moradia e defronte da árvore, está a ser edificado na encosta, um grotesco e monstruoso edifício, no local, que no plano urbanístico da zona, deviam ser plantadas árvores.

Pois bem, isto faz pensar: implantam casas lá onde deviam plantar árvores, e não se contentando com tal feito, ainda por cima cortam uma árvore de sombra benfazeja, de efeitos naturalmente benéficos, e de onde a deviam deixar sossegada. No caso em foco, até existe um muro a separar a construção da árvore mutilada sob disfarce de poda, que é coisa outra!

Árvores, plantas, minha gente! Fazem falta!

A nossa urbanização do Palmarejo de dia para dia mais parece uma floresta de betão sem qualquer ordenamento. Uma autêntica “passerelle” de cimento armado, diga-se em abono da verdade, de muito mau gosto e de grande falta de consideração pelos moradores que pagam as suas contribuições.

Não há um espaço verde! Um só que seja público!... E lá onde era para sê-lo, ao invés, surgem prédios, qual deles agora, o mais camafeu!

A impressão que o morador do Palmarejo tem é que as construções surgem do dia para a noite, em inestéticas e feias armações, quais cogumelos, altíssimos, com vários andares, desordenados, a ocupar tudo, a tapar qualquer expectativa, ou desejo de vista para o mar. Aparentemente, sem qualquer respeito pelo plano de construção e de ordenamento urbano, de uma zona residencial como esta, que seja dita, melhor sorte merecia.

Atenção: não estou e nem podia estar contra a construção de casas, mas que tudo fosse erguido no cumprimento dos planos e normas urbanísticos existentes e não ao sabor de directivas avulsas sem qualquer respeito pela lei e pelo munícipe, visando talvez alguns pouco transparentes interesses imediatos?

Infelizmente, o resultado de tudo isto é que o ar do Palmarejo está a tornar-se irrespirável, imprestável; não há circulação de ar, de vento; o calor a aumentar de dia para dia; o micro clima da zona a alterar-se para pior (tal o aperto e a asfixia derivados das construções!). Sem espaços, sem “pulmões verdes,” sem qualquer ajardinamento.

Todos sabemos que o asfalto aumenta a temperatura, consequentemente, o calor é maior. Isto para além de impedir a infiltração das águas pluviais. Para que haja equilíbrio, torna-se necessário a plantação de árvores, e a criação de mais espaços, para a circulação do ar; ao contrário, o que vem sucedendo, são prédios e mais prédios uns em cima dos outros.

Para a nossa pouca sorte, assim vai a actual urbanização do Palmarejo.

Pois bem, fica-se também com a impressão de que não há autoridade neste campo de acção. As construções já estão a chegar à beira-mar. Já faltou mais para se instalarem sobre as arribas, dentro do mar...

E assim vamos nós...

Tudo isto somado, revela um completo desrespeito pelo Plano Urbanístico do Palmarejo, não tenho dúvidas.

A comunidade vivente do Palmarejo, os seus moradores revoltados, criticam em voz baixa, mas “à boca cheia” e aguardam por nova e diferente autoridade local, que tenha melhor visão nesta matéria e seja respeitadora da lei e dos munícipes.

Haja esperança por uma renovada, entendida e transparente ordem em matéria de ocupação do solo do Palmarejo, num futuro próximo!

Se até lá ainda sobrar algum palmo de solo...

Apetece-me oferecer – a quem necessita urgentemente de saber cuidar de zonas residenciais – um livrinho de leitura maravilhosa e com o modesto título: «O Homem que Plantava Árvores» de Jean Giono, e que mostra como é enriquecedora a harmonia que deve haver entre as árvores, as plantas, as casas e os espaços, para o bem-estar dos seus habitantes e da natureza envolvente.

Palmarejo
Palmarejo

Publicado em coral-vermelho.blogspot.com, em 5 de Abril de 2019.


Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 907 de 17 de Abril de 2019.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ondina Ferreira,23 abr 2019 6:43

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 abr 2019 6:43

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.