CUBA - ESSE JULHO NOSSO EM QUE ESTÁ CAINDO A CAPA DO CORDEIRO

PorMovimento SOS CUBA,5 ago 2021 11:24

1

Do Movimento SOS CUBA recebemos esta cronologia que publicamos na íntegra.

11/07

1. Se produz em Cuba um evento histórico: ocorreram as maiores manifestações não convocadas pelo governo desde 1959. Milhares de cubanas e cubanos em toda a ilha, saíram as ruas pacificamente. Foi um clamor “fruto do desespero de uma sociedade que atravessa não só uma longa crise económica e uma crise de saúde, mas também uma crise de confiança e uma perda de expectativas”. Esse dia ao longo e largo da ilha retumbou a voz de um povo que pedia: LIBERDADE!!!!; ESTAMOS UNIDOS!!! SÍ SE PUEDE!!! (É POSSÍVEL); QUEREMOS COMIDA, NÃO PAULADA!!!; QUEREMOS VACINAS!!!;

2. Na esteira das manifestações, o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel, ditador de turno de um regime que não tolera vozes dissidentes, respondeu ao desesperado clamor popular, brutalmente. Convocou os militantes comunistas para reprimir os protestos antigovernamentais. "A ordem de combate está dada, os revolucionários às ruas", disse Díaz-Canel, que classificou os manifestantes como "mercenários e vendidos aos EUA” e culpou o embargo americano pela crise sanitária e alimentar. Numa tentativa de silenciar os manifestantes e isola-los do mundo, as comunicações via Internet na ilha foram cortadas, acontecendo o mesmo as comunicações de radio aficionados.

12/07

3. Partindo do pressuposto que o evento se devia a uma crise pontual, provocada pelo COVID 19, a falta de medicamentos, alimentos e artigos de higiene essenciais, o Primeiro Ministro de Cuba, Manuel Marrero Cruz (que foi por mais de 15 anos Ministro do Turismo), anunciou a aprovação pelo o governo, duma medida excepcional, mediante a qual se levantaram temporariamente as tarifas alfandegarias e os limites às importações privadas, de alimentos e medicamentos. A medida entrou em vigor a 19 de julho e vigorará até, pelo menos 31 de dezembro. As importações só poderão ser feitas por passageiros…. O Governo continua a proibir as importações privadas por outras vias.


17/07

4. O Ministério de Saúde anunciou, a retoma da produção de medicamentos para controlar a tensão arterial e a diabetes, os quais “estavam em falta” desde o inicio da pandemia. As autoridades explicaram que a produção tinha sido suspensa porque todos os esforços se tinham concentrado na produção de 5 vacinas contra o COVID 19. Cuba não aderiu ao fundo COVAX, porque optou pela produção das suas próprias vacinas.

21/07

5. A Empresa Provincial de Comercio da Província da Havana, emitiu uma circular detalhando os procedimentos sobre a entrega de Cestas Básicas Gratuitas à população: arroz (3 kg), grãos (2 kg), leite em pó ou cereais (250 g), Massa (2 kg), sardinha (2 latas), açúcar (1 kg).

26/07

6. O Primeiro Ministro de Cuba, Manuel Marrero Cruz, no decorrer de um publicitado “trabalho voluntário”, confessou perante um grupo de jovens comunistas que o objetivo de todos os dirigentes deve ser trabalhar para que a PACIÊNCIA DO POVO CUBANO “NO CHEGUE A UM TOPE” (NÃO SE ESGOTE).

27/07

7. O regime cubano começou a abastecer os mercados da capital, principalmente naquelas zonas que se tornaram epicentro dos protestos, com novos produtos alimentícios, que por motivos inexplicáveis não eram comercializados antes nessas zonas. Lagosta e carne moída passam a ser distribuídas no município de Centro Havana.


28/07

8. O presidente cubano Diaz Canel, qualificou de "vergonhoso" o apelo de reunião extraordinária do Conselho Permanente Organização dos Estados Americanos, encarregado de denunciar as violações dos direitos humanos no hemisfério.

9. O Ministério de Saúde Pública de Cuba, informou que registou o maior número de casos de infectados por COVID-19 da história da pandemia na ilha, ao detectar 9.323 casos positivos em apenas um dia. Segundo o Dr. Francisco Durán García, Director Nacional de Epidemiologia, com estas infeções Cuba acumula 358.378 diagnosticados e 2.560 mortes se somadas as 68 mortes ocorridas nas últimas 24 horas. Os números dos internados também são preocupantes porque atualmente existem 84 mil 684 pessoas internadas tanto em instituições hospitalares como nas suas casas, destes 37 mil 459 suspeitos; 3.632 sob vigilância e 43.593 com o vírus ativo.

10. Em plena pandemia, o sistema de saúde não conta nem com medicamentos essenciais, nem com equipas médicas suficientes para assistir a população. Enquanto isso, continuam, sob a capa da solidariedade, a vender os serviços médicos a vários países. Equipas que usufruem salários superiores aos praticados nesses países, e aos quais vão acoplados outros custos suplementares.

29/07

11. O Alto Representante para a Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, emitiu uma declaração oficial sobre os protestos em Cuba e os eventos subsequentes ocorridos após 11 de julho. A posição dos 27 países membros do bloco comunitário expressa preocupação com a repressão desencadeada contra manifestantes pacíficos. “Estamos muito preocupados com a repressão a esses protestos, assim como com a prisão de manifestantes e jornalistas, especialmente depois das manifestações de 11 de julho em todo o país, com a participação de milhares de cidadãos cubano. Apelamos ao governo cubano para que respeite os direitos humanos e as liberdades consagrados nas convenções universais dos direitos humanos. Exortamos você a libertar todos os manifestantes detidos arbitrariamente, a ouvir as vozes de seus cidadãos e a se engajar em um diálogo inclusivo sobre suas queixas."

Que está acontecendo em Cuba, que significam as respostas e soluções do governo, dadas em tempo recorde?

Que informação subliminar esconde a preocupação do Primeiro Ministro cubano?

Será que a situação que o povo cubano tem vivido, é apenas o resultado da inépcia de um governo?

Será que sob a aparência de tentativas falidas de construção dum paraíso igualitário, o povo cubano está vivendo um inferno, por estar sendo submetido a um experimento social macabro e desumano?

Será que a hipóteses a comprovar nesse experimento é o grau de sofrimento, de abuso de autoridade, de carências de todo tipo e de miséria humana que um povo pode aguentar, sem explodir?

Dificilmente conheceremos a verdade, mas há já uma verdade que se impõe, demonstrada pelas próprias medidas de cosmética que estão adotando:

i. o governo de Diaz Canel é o principal responsável, pela deriva do país – sanitária, alimentar e humanitária;

ii. o governo ditatorial é completamente surdo ao clamor popular e não está disponível para reconhecer o seu fracasso e os seus erros, nem para discutir ou negociar.

Hoje como nunca, é necessária, a solidariedade de todas e todos “para que se chegue a soluções e respostas que não devem ser apenas de natureza material, mas também de carácter político. E assim uma Cuba melhor e inclusiva poderia responder às razões desse grito de desespero e perda de esperanças que, em silêncio, mas com força desde antes do 11 de julho” , já vinham sendo dados por muitos de nossos compatriotas.

É chegada a hora demonstrar verdadeira solidariedade com o povo e retirar de uma vez o apoio a esse governo corrupto e incapaz.

PÁTRIA Y VIDA

SOSCUBA-Cabo Verde*

*Somos um grupo que comunga com o movimento internacional SOSCUBA, integrado por cubanas e cubanos residentes em Cabo Verde e amigas e amigos do povo cubano

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Movimento SOS CUBA,5 ago 2021 11:24

Editado porSara Almeida  em  6 ago 2021 8:47

1

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.