Kriol-Itá quer envolver maior número de instituições dos dois países

PorExpresso das Ilhas,23 jan 2016 6:00

Um ano depois da sua criação em Roma, a Associação de Amizade Itália-Cabo Verde, Kriol-Itá, realizou na Praia um encontro entre sócios e simpatizantes para a exposição dos seus objectivos: a consolidação da amizade e o desenvolvimento das relações entre os dois países no plano cultural, cientifico, desportivo e socioeconómico.

 

A Associação de Amizade Itália-Cabo Verde designada “Kriol-Itá” nasceu em Roma no início de 2015 e conheceu a sua primeira apresentação pública nesta cidade alguns meses depois.  Em Cabo Verde a apresentação oficial irá acontecer lá para Junho ou Julho de 2016. Mas já na passada terça-feira a associação realizou, na Praia, no restaurante  Terrazza Itália o primeiro encontro entre simpatizantes e sócios para divulgar os objectivos da Kriol-Itá.

“A Associação de Amizade Itália Cabo Verde, como a denominação deixa entender, é uma instituição destinada a potenciar as virtualidades que vão emergindo do relacionamento entre as duas comunidades, a italiana e a cabo-verdiana, em Itália e em Cabo Verde, por forma a transformá-las em factores de desenvolvimento para ambas e, bem assim, para os respectivos países, nos mais variados domínios”, começa por dizer ao Expresso das Ilhas Maria Silva, presidente da Kriol-Itá.

 A Associação foi fundada há justamente um ano por italianos e cabo-verdianos comprometidos com os dois países aglomerando docentes universitários, empresários, dirigentes do desporto, médicos, advogados, estudantes, reformados etc.

Remo Forte, proprietário do restaurante Terrazza Itália onde se realizou o encontro da Praia, é um dos empresários que está na origem da criação da Associação. “Eu encontrei Maria Silva que é a presidente da associação há alguns anos na Embaixada de Cabo Verde na Itália. Na troca de ideias propus a criação de alguma entidade que reunisse italianos e cabo-verdianos na Itália. Propus então a criação de um espaço onde pudessem ser ministrados cursos de italiano e da língua cabo-verdiana e promovidas outras formas de intercâmbio cultural entre os dois povos”, diz o empresário. Mas modestamente exclui a sua pessoa deste processo. “Inicialmente sim, porque falamos da ideia. Depois vim para Cabo Verde e ficamos em contacto a amadurecer este projecto. Mas o mérito da criação da associação é da Maria Silva, que avançou sozinha”.

De acordo com Maria Silva, a Associação nasce com o intento de coagular à sua volta as melhores forças e energias de modo a se tornar um ponto de referência entre a comunidade italiana e aquela cabo-verdiana, seja em Itália que em Cabo Verde.

 

Sócios honorários

“Além dos sócios fundadores, temos também os sócios honorários, que, como diz o estatuto, são aquelas personalidades do mundo institucional, empresarial, cultural ou desportivo cuja presença possa contribuir para o prestígio da Associação e a realização dos objectivos associativos”, elucida a presidente da Kriol-Itá.

Entre os sócios honorários que, segundo os estatutos – “são aquelas personalidades do mundo institucional, político, empresarial, cultural ou desportivo cuja presença possa contribuir para o prestígio da Associação e a realização dos objectivos associativos” –, destaca-se o actual embaixador de Cabo Verde na Itália e a maioria dos ex- embaixadores, os cônsules honorários, o Cônsul da Itália em Cabo Verde e diversas personalidades italianas e cabo-verdianas.

Já os sócios ordinários escasseiam; não por falta de pedidos de admissão, mas por razões de ordem técnica.

“Temos ainda poucos sócios ordinários, mas contamos brevemente ter mais ou menos 500 inscritos, pois são tantos os pedidos, mas aceitaremos logo assim que estivermos devidamente estruturados”, adianta Maria Silva.

Como explica, a Kriol-Itá vai activar uma plataforma capaz de meter em relação as instituições da sociedade civil dos dois países, nomeadamente municípios, universidades, federações desportivas e o mundo da cultura, tendo como protagonistas os cabo-verdianos e italianos que vivem em Itália mas também os italianos e cabo-verdianos que vivem em Cabo Verde.

Entre as acções a serem desenvolvidas, será assinado brevemente um protocolo com o Comité Olímpico Cabo-Verdiano e Paralímpico e algumas Federações Desportivas, com a Universidade de Cabo Verde, a ADEI (Agência de Desenvolvimento Empresarial e Inovação) e paulatinamente com outras Instituições no âmbito da cooperação descentralizada. “Estamos para assinar protocolos com os seus homólogos italianos, com o objectivo de facilitar o diálogo entre estas várias instituições para uma maior troca de competências e experiências”, enfatiza Maria Silva.

 

Parcerias

A Associação de Amizade Itália-Cabo Verde conta já com a parceria da Universidade de Tor Vergata de Roma, da Associação Italiana Cultura e Desporto, do Centro de Estudos e Pesquisas e do Observatório Italiano das Pequenas e Medias Empresas.

A nível do desporto estabeleceu parcerias com o Comité Olímpico Italiano (CONI) e com várias federações desportivas daquele país. A Federação do Esgrima manifestou à associação o interesse em trazer este desporto olímpico a Cabo Verde.

A cultura é outra vertente que não podia ficar fora do âmbito da relação entre os dois países. “É nossa grande ambição trazer a cultura italiana nas suas varias vertentes em Cabo Verde e vice-versa. E porque não promover o ensino da língua italiana em Cabo Verde?”, interroga-se Maria Silva.

Depois da Praia, a Kriol-Itá irá promover encontros com a comunidade italiana no Sal e Boa Vista, ilhas onde a sua presença é mais acentuada.

 

As comunidades Italianas e cabo-verdianas

A relação entre Itália e Cabo Verde vem desde os primórdios da descoberta das ilhas. Apesar de ser objecto de discussão historiográfica, há dois italianos e um português na disputa da primazia da descoberta: Diogo Gomes, em 1456, o veneziano Cadamosto, em 1460, ou o genovês António da Noli. Aliás, recentemente tem-se afirmado a prioridade do genovês António da Noli. A comunidade cabo-verdiana começou a tomar forma em finais de 1957. No princípio era formado maioritariamente por mulheres, mas com o reagrupamento foram criados novos núcleos familiares e a comunidade tem hoje uma importante presença masculina. A comunidade italiana residente em Cabo Verde centra-se sobretudo nas ilhas turísticas do Sal e da Boa Vista e com menor expressão na Praia, Maio, São Vicente e Fogo.  

 

A Associação Kriol-Itá

A Associação de Amizade Itália-Cabo Verde ,“Kriol-Itá”, em italiano Associazione di Amicizia Italia - Capo Verde “Kriol-Ità” foi criada na Itália, no início de 2015. Está sedeada em Roma, mas poderá instituir ulteriores sedes secundárias ou representação seja na Itália seja em qualquer outro país.

Tem como fim o de promover a consolidação da amizade e o desenvolvimento das relações entre Itália e Cabo Verde no plano cultural, científico, desportivo e socioeconómico de modo a favorecer a solidariedade e a colaboração para o crescimento das respectivas comunidades, a luta contra o mal-estar social, as desigualdades e a exclusão, a identificação de formas de intercâmbio e assistência no território, para além de qualquer forma possível de colaboração, cooperação e sinergia entre os dois Países e os respectivos cidadãos.

 

 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 738 de 19 de Janeiro de 2015.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,23 jan 2016 6:00

Editado porRendy Santos  em  22 jan 2016 13:40

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.