Relação reduz para metade pena dos irmãos Alves

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,9 abr 2019 17:23

​O Tribunal da Relação de Sotavento reduziu as penas de prisão de Rui e Flávio Alves, para 15 e 7 anos, antes condenados a 33 e 14 anos de cadeia, respectivamente, em primeira instância. Os dois homens, irmãos, foram condenados por vários crimes de ameaça de morte, coacção, chantagem e agressão sexual.

"A defesa dos dois visados deu entrada com o recurso junto do Supremo Tribunal de Justiça por entender que as penas continuam exageradas”, avançou à Inforpress fonte da defesa.

Os dois irmãos conheceram em Fevereiro de 2018 as suas sentenças, decretadas pelo Tribunal da Praia. Rui Alves, o mais novo, foi condenado a 33 anos de prisão. Flávio Alves a 14 anos e seis meses de reclusão.

Os suspeitos atraíam as suas vítimas com recurso a vários perfis falsos, criados na rede social “Facebook”.

“Nuno de Pina”, “Sinna Gonçalves”, “Nuno Gonçalves”, “Speed Gonçalves”, “Gonçalves Moahmed”, “Maurycio Marcovich” e “El Hommbre Marcovich” foram alguns deles, conforme apurado pela Polícia Judiciária.

Durante o processo da investigação, foram realizadas buscas às casas dos irmãos Alves, tendo sido apreendidos telemóveis, computadores e vários dispositivos de armazenamento, contendo imagens das vítimas sem roupa e acto sexual com os arguidos. Tudo isso funcionou como prova dos actos.

De entre as várias vítimas, a mais nova com apenas 13 anos, estava uma jovem que acabou por engravidar e depois abortar. Há outras jovens que perderam um ano lectivo, por causa das faltas não justificadas, que davam para poder satisfazer as ordens dos chantagistas. 

Este é o primeiro caso de crime relacionado com o domínio do cibercrime e recolha de prova em suporte electrónico a ser julgado no país.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,9 abr 2019 17:23

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  10 abr 2019 14:00

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.