Celebração do Natal ajuda o homem a tomar consciência da sua “altíssima dignidade” – cardeal

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,25 dez 2019 15:58

O cardeal Dom Arlindo disse que a celebração do Natal ajuda o homem a tomar consciência da sua “altíssima dignidade” que a imaginação humana não era capaz de atingir ou supor e que todos devem ter a “mesmíssima dignidade”.

Na sua homilia na missa de Natal na Igreja Matriz Nossa Senhora da Graça, no Platô, na manhã de hoje, Dom Arlindo Furtado disse que Deus veio ensinar isto mesmo, alertando aos fieis que isto “implica e de que maneira” nas atitudes, comportamento e no relacionamento, para com o próximo, enquanto oportunidade única de passar a vida fazendo bem a Jesus através dos outros.

Para Dom Arlindo “se a salvação, a libertação da escravidão da Babilónia é motivo de tão grande júbilo, qual não será o jubilo daqueles e daquele povo que Deus quer constituir para se libertar do maligno, do pecado da morte e ganhar uma nova cidadania antes inimaginável?”.

Tomando como ensinamento do Evangelho São João de que “aqueles que acolheram o Verbo feito carne, este Verbo filho de Deus, coexistente com Deus desde e toda a eternidade”, Dom Arlindo disse que Deus assumiu a realidade humana e que não se contentou em criar o ser humano à sua imagem e à sua semelhança, ao fazer a “aliança entre o divino e o humano”.

Na sua prédica, disse que Deus elevou todo o ser humano ao nível de filho e filha de Deus com a toda a consequência que daí advém e que com o nascimento de Jesus Cristo.

“Deus nos faz bem a nós, não porque nós mereçamos, mas porque ele nos ame. É por amor, não pelo nosso mérito que Deus está ao nosso serviço, está a nossa disposição. Que ele nos perdoa, nos salva, nos promove, nos assume como filhos e filhas. É porque nos ama incondicionalmente”, explicitou Dom Arlindo,

Na sua mensagem natalícia, exortou a Deus que dê graça e uma consciência clara, com implicação directa, profunda e permanente na vida, de modo a desenvolver qualidade de relação com Deus como um verdadeiro filho ou filha independentemente das etapas do desenvolvimento, de aperfeiçoamento de cada um.

“Todos nós temos defeito. Todos nós falhámos, todos nós pecamos e na sua infinita misericórdia para connosco Deus nos perdoa e nos reconcilie e de Jesus também recebemos a graça e aprendemos o processo da reconciliação da pacificação, da reconstrução da fraternidade das nossas relações”, ressalvou Dom Arlindo que apresentou Jesus Cristo como “o protótipo da Humanidade plenamente realizado”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,25 dez 2019 15:58

Editado porSara Almeida  em  26 dez 2019 11:32

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.