Cabo Verde terá lei para regular a quantidade de sal nos alimentos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,23 jun 2021 16:28

A informação foi anunciada esta quarta-feira, pelo director Nacional de Saúde, Jorge Noel Barreto que falava, à margem do seminário "O excesso do sal como um dos factores de risco para o AVC", realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Pública, na Praia.

Jorge Noel Barreto prevê que até ao final do ano o arquipélago tenha uma legislação para regular a quantidade de sal nos alimentos à venda, produzidos no país ou importados.

"Já está bastante avançado, faltam pequenos detalhes para a proposta ser finalizada e então apresentar os próximos passos, para a sua aprovação e depois publicação. Esperamos que ainda este ano consigamos atingir essa meta", avança Noel Barreto.

Segundo Jorge Noel Barreto a legislação em preparação, para ser submetida ao Governo, deve regular essas quantidades em todos os produtos que são disponibilizados em Cabo Verde, não só os produzidos localmente.

"Em termos de importação deve ter um impacto, porque de nada adianta se nós regularmos as condições para os produtos nacionais e continuarmos a disponibilizar produtos importados que têm as quantidades dessas substâncias para além daquilo que é recomendado", afirmou.

Este seminário acontece em parceria com a Direcção Nacional da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) e tem como objectivo  debater a importância de reduzir o consumo de sal nos alimentos, prevenindo assim o risco de desenvolver um acidente vascular cerebral (AVC), o que para o responsável implica comunicação e sensibilização da população sobre os riscos, mas também pela via legal regulando as quantidades presentes nos alimentos à venda no arquipélago, para minimizar os riscos do consumo excessivo.

Os dados apresentados hoje no seminário, com base num inquérito sobre doenças não transmissíveis de 2020, apontam que cerca de 30% da população sofre de hipertensão e que em Cabo Verde as pessoas estão a consumir 9,2 gramas de sal diariamente, quase o dobro do recomendado pela OMS, que é de até cinco gramas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,23 jun 2021 16:28

Editado porAndre Amaral  em  25 jan 2022 23:20

pub.

pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.