UNDAF 2018-2022: Cooperação aposta nas respostas locais

PorSara Almeida,29 out 2017 10:58

O novo Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento das Nações Unidas em Cabo Verde – (UNDAF) 2018-2022 foi assinado no passado dia 16 de Outubro, numa cerimónia presidida pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares.

O novo Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento das Nações Unidas em Cabo Verde – (UNDAF) 2018-2022 foi assinado no passado dia 16 de Outubro, numa cerimónia presidida pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Luís Filipe Tavares.

 

Orçado em 92 milhões de dólares para os próximos cinco anos, o compromisso assume a máxima do desenvolvimento sustentável e está alinhado com a Agenda 2030, os ODS e com o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável do governo de Cabo Verde.

“Estamos em plena sintonia”, frisou, ao Expresso das Ilhas, a coordenadora e representante do sistema das Nações Unidas em Cabo Verde, Ulrika Richardson. “Todos estamos a trabalhar para os mesmos objectivos, temos as mesmas prioridades”, explicou.

Em concreto, o novo quadro dá uma “ atenção particular para os actores locais” e irá promover o reforço das “capacidades locais para poder fazer planificação participativa, integrada”. Ao mesmo tempo, visa-se “aumentar a capacidade técnica para enfrentar prioridades que têm que ver com as diferentes localidades, pois sabemos que as respostas não podem ser únicas.”

“Não há um modelo que sirva a todos, têm de ser respostas adaptadas à realidade local e isto é o que estamos a fazer em Cabo Verde”, destacou.

Assim,  a grande diferença neste  novo plano é, pois, a atenção dada ao nível local. “Sempre trabalhamos com as câmaras municipais e a sociedade civil, mas agora vamos fazê-lo de um modo muito mais estratégico, uma parceria muito clara, muito concreta, muito mais do que o programa anterior”, sublinhou ainda a coordenadora.

A assinatura do novo quadro aconteceu na presença da Secretária-Adjunta do Secretário Geral das Nações Unidas  e Alto Representante para os Países Menos Desenvolvidos, Países em Desenvolvimento sem Litoral e Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, Fekitamoeloa Katoa Utoikamanu, que se encontrava no país para participar no FMDEL, assim como de alguns Directores Regionais das Agências das Nações Unidas, que integram o UNDAF.    

 
Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 830 de 25 de Outubro de 2017. 

 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,29 out 2017 10:58

Editado porSara Almeida  em  29 out 2017 11:03

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.