A “Infância Invisível”, pelo olhar das crianças

PorChissana Magalhães,3 abr 2018 6:36

II Bienal de Arte Infantil acontece na Boa Vista
II Bienal de Arte Infantil acontece na Boa Vista©HI Foundation

A Ilha da Boa Vista acolhe, desde ontem, e pela segunda vez , a Bienal de Arte Infantil de Cabo Verde. Entre 2 e 8 de Abril, “Infância Invisível” é o tema à volta do qual crianças de diferentes origens irão criar.

A iniciativa da fundação Hugo Israel (HI Foundation) dá continuidade ao propósito de trabalhar com a comunidade e trabalhar a cidadania através da sensibilização e de intervenções artísticas. Mas o conceito da bienal também passa pela proposta de “voltar ao básico”.

“A vida em Boa Vista (Cabo Verde) na pele das crianças. Uma experiência engraçada e anómala na sua vida quotidiana, e que encoraja as relações entre eles e o respeito mútuo. Voltar a ser uma criança. Ver a vida a partir de sua capacidade de ser surpreendido e surpreender com seus traços e cores. A visão da realidade através de uma lupa infantil, fresca e natural, que aumenta sua criatividade e imaginação”, lê-se na nota de apresentação.

Com crianças naturais daquela ilha e crianças oriundas das comunidades ali estabelecidas - Portugal, Itália e China, mas também de outras ilhas do arquipélago - a Bienal de Arte Infantil acontece a céu aberto, tendo as ruas de Sal Rei, Rabil e João Galego como espaço de recolha e de intervenção. Pintura, escultura e fotografia serão as disciplinas a serem abordadas pelos artistas mirins.

Sensibilizada com a poluição que está a afectar a ilha, nomeadamente as praias mais frequentadas pela população residente, a organização pensou a bienal de arte também como uma oportunidade de chamar a atenção para o problema ambiental e ao mesmo tempo educar uma faixa da população que poderá ajudar a fazer a diferença.

O evento tem ainda um propósito mais crítico, declarando ser “imperativo afirmar o posicionamento cultural de Cabo Verde, através das artes visuais, e promover a dinâmica e a intervenção artística/urbanística de geo-referenciação da ilha de Boa Vista”.

“A arte é uma ferramenta, convite a uma conversa, um diálogo que tem como ponto de partida um sentimento, uma intenção. A comunidade está à espera deste estímulo”, diz o criador da HI Foundation, Hugo Israel.

Assim, a expectativa é de que a actividade desperte a atenção do público, gere discussão e exponha a existência de “zonas negras” em Cabo Verde.

Na sua primeira edição, em Novembro 2016, a Bienal de Arte Infantil de Cabo Verde reuniu três dezenas de pequenos criadores e culminou em uma exposição colectiva, performances e intervenções públicas.

“Essa primeira edição destaca-se pela grande participação das crianças, pela grande entrega e motivação das 30 crianças que participaram”, ressalva Hugo Israel, ele próprio artista e performer.

A HI Foundation, que promove actividades de carácter cultural, educativo e social nos domínios da arte e do empreendedorismo social, busca constituir-se como uma agente para a inclusão social e para atenuação de tensões sociais e culturais.

Sem patrocínios institucionais, esta segunda edição da Bienal conta com o apoio da Turttle Foundation e do restaurante Fado Criola.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Chissana Magalhães,3 abr 2018 6:36

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  4 abr 2018 6:42

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.