Morreu Moacyr Rodrigues

PorExpresso das Ilhas,23 dez 2020 8:03

Escritor, filólogo, Moacyr Rodrigues foi um estudioso da morna e um dos grandes apoiantes da sua elevação a Património Cultural Imaterial da Humanidade. Moacyr Rodrigues faleceu esta madrugada no Mindelo.

Nascido na cidade do Mindelo, ilha de S. Vicente, Cabo Verde, a 9 de abril de 1933 Moacyr Rodrigues iniciou, em 1957 o curso de Filologia Germânica na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa que continuaria, depois, em Coimbra.

Em 1985 conclui o curso de Línguas e Literaturas Modernas (Inglês/Português) pela Universidade Clássica de Lisboa.

O percurso académico de Moacyr Rodrigues prossegue em 2003 quando obtém um Mestrado em  Relações Interculturais pela Universidade Aberta do Porto, na área de Antropologia Visual e, depois, em 2010 obteve o Mestrado em Ciências Musicais — Etnomusicologia na Universidade Nova de Lisboa e em 2015, doutorou-se na mesma área pela mesma universidade. 

Moacy Rodrigues foi igualmente professor. Em 1999 começou a leccionar no ensino superior em Cabo Verde, onde ensinou disciplinas de Língua e Cultura Cabo-Verdiana e Portuguesa, Antropologia Cultural e História, Cultura e Património, entre outras. É autor de vários livros e alguns artigos publicados em revistas de diversos países.

Moacyr Rodrigues foi, como já foi referido, um dos maiores defensores da elevação da Morna  à categoria de Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Para o etnomusicólogo, avançar com a candidatura à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) foi uma decisão “corajosa”, uma vez que existem “correntes contra”.

Num artigo publicado no Expresso das Ilhas, edição 941, sublinhou que o primeiro registo escrito referente à morna consta do Relatório dos Serviços de Saúde da ilha da Boa Vista, de 1875, do director Sócrates, que o classifica como uma música de “doidejante e ruidosa”.

Já a colecção “Morna: Música Rainha de nôs terra” refere que a morna nasceu na Boa Vista, por volta de 1780, passando depois às outras ilhas, adaptando-se e tomando as características de cada povo. Tornou-se romântica na ilha Brava.

“A partir de São Vicente e da Praia, anos 1960/1970, dá-se a electrificação da morna inspirada na canção in­ternacional e vai para o mundo. É a altura da emigração para França e Holanda e é quando surge o conjunto Voz de Cabo Verde na emigração e Manuel d’Novas vive a experiência da emigração. Deste período destacam-se compositores como Manuel d’Novas, Toy Ramos/Toy de Bibia, Anu Nobu, Djodja, Amândio Cabral e Lutcha Gonzaga”, referia. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,23 dez 2020 8:03

Editado porSara Almeida  em  25 jan 2021 10:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.