Reeleição de Thomas Bach no COI

PorLeonardo Cunha,19 mar 2021 15:12

Dia 10 de Março de 2021 fica na história do movimento olímpico como a data da reeleição de Thomas Bach como Presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) para o seu último mandato de 4 anos. O atleta, medalha de ouro olímpica em esgrima nos Jogos Olímpicos de Montreal em 1976, foi reeleito com uma esmagadora maioria de votos (obteve apenas um voto contra). Realizou uma candidatura isolada a um novo mandato como líder do movimento Olímpico.

O COI está claramente mais confortável com os presidentes europeus e, enquanto Bach é o seu primeiro Presidente alemão, apenas um não-europeu (Avery Brundage dos Estados Unidos) já ocupou o cargo.

Em 2013, na sua primeira eleição para um mandato de 8 anos, houve uma mudança imediata no sentido de propósito do COI e uma nova energia nas suas atividades em todo o espectro olímpico. O recrutamento de membros qualificados da administração do COI levou a que um nível de pessoal profissional tivesse a competência organizacional para cumprir novos objetivos amplos e ambiciosos, muitos resultantes da revisão e avaliação abrangentes lideradas por Bach de toda a gama de atividades identificadas na Agenda Olímpica 2020.

Não obstante os progressos consideráveis em matéria de governação que se seguiram ao escândalo pós-Salt Lake City em 1998-1999, em consequência dos quais a governação interna do COI foi formalizada ao longo de princípios de boa conduta, divulgação e transparência, ficou claro que o COI tinha mais trabalho a fazer e que as normas de governação no desporto internacional precisavam, em geral, de melhorias.

Bach teve de enfrentar mais do que a sua quota-parte de desafios, alguns previsíveis e outros não, alguns operacionais e alguns políticos. O infeliz legado criado pela Rússia, que incluía os Jogos de Sochi comprometidos em 2014, a organização caótica dos Jogos do Rio de janeiro em 2016, que se encontrava à beira do colapso sistémico todos os dias, e a surpreendente e eficaz entrega de Pyeongchang em 2018, apesar das difíceis relações na península coreana, bem como em relação à Rússia, estavam todos longe da rotina e exigiam uma gestão cuidadosa.

Depois, claro, veio a pandemia covid-19 de 2020, interrompendo o que teria sido, sem dúvida, os melhores Jogos Olímpicos organizados da história em Tóquio, superando o seu extraordinário sucesso em 1964. Esta ameaça existencial exigiu uma coordenação hábil com as autoridades japonesas para encontrar e chegar a acordo sobre a solução de adiamento dos Jogos por um ano.

Tanto durante o período que antecedeu Tóquio como nos meses que se seguiram, virá Pequim e um possível paralelo com o boicote de Moscovo em 1980, quando o próprio Bach, enquanto atleta, foi impedido de participar devido ao boicote liderado pelos EUA. Já vimos o início de uma campanha, impulsionada por aqueles que não puderam ou não quiseram agir, para revogar os direitos dos atletas olímpicos de prosseguirem os seus sonhos pacíficos.

Mesmo que não se encontre livre de críticas (naturais a qualquer líder de uma grande organização), quando entregar a Presidência do COI ao seu sucessor em 2025, Bach irá oferecer uma organização melhor do que aquela que herdou. Será um mundo diferente, mais complexo, mais dividido, mais perigoso do que nunca, mas em que o desporto olímpico pode estar posicionado de forma única para manter vivo o diálogo, a cooperação e a paz.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,19 mar 2021 15:12

Editado porAndre Amaral  em  10 abr 2021 17:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.