"Sem financiamento às empresas não há condições para que estas prosperem"

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,19 abr 2018 7:20

​O ministro de Estado, Fernando Elísio Freire de Andrade, afirmou quarta-feira, na Cidade da Praia, que o contexto actual interpela Cabo Verde quanto à necessidade de “uma solução urgente” para o desafio do financiamento da economia do País.

Segundo o ministro, a necessidade de “uma solução urgente” para o desafio do financiamento é, sobretudo, no contexto de graduação de Cabo Verde a País de Desenvolvimento Médio e face à persistência de défices no que respeita ao acesso ao financiamento por parte das micro, pequenas e médias empresas e aos instrumentos de apoio à internacionalização de empresas cabo-verdianas.

“Sem investimento produtivo, não há crescimento económico sustentável e sem financiamento às empresas não há condições para que estas prosperem”, disse o ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e Presidência do Conselho de Ministros, que falava no acto de abertura do fórum: Operadores de Bolsa, Intermediários Financeiros e Brokers, enquadrado nos 20 anos da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVC).

O governante lembrou ainda que “sem empresas prósperas e em expansão não haverá também criação de empregos em Cabo Verde".

“Assumimos a missão primeira de promover a melhoria das condições de financiamento à actividade produtiva e um forte programa de captação do Investimento Directo Estrangeiro”, sublinhou Fernando Elísio Freire.

Nesta perspectiva, o ministro sublinhou também que a praça financeira é crucial para que Cabo Verde venha a atingir os objectivos de “desenvolvimento forte e inclusivo”.

Para Elísio Freira, “o grau de subdesenvolvimento de Cabo Verde também se exprime, de forma clara, no mercado financeiro".

“Dominam o mercado financeiro seis pequenos bancos, cuja capacidade de intervenção na economia é modesta, dado os seus limitados recursos de capital, seja tomado isoladamente seja de forma consolidada”, afirmou o ministro.

Para além destes seis bancos, o ministro referiu-se também às duas companhias seguradoras que“apenas intervêm no mercado doméstico". 

"Uma pequena sociedade de capital de risco e uma modesta” Bolsa de Valores, compõe o resto do sistema financeiro nacional. 

“Basicamente, é este o mercado financeiro cabo-verdiano, com poucos meios para responder às necessidades do mercado. A essa realidade há que associar, ainda, a dimensão da economia, incapaz de gerar a poupança necessária para as necessidades do seu financiamento”, afirmou.

Face à situação, Fernando Elísio Freire disse que “é preciso dar consistência e credibilidade à Bolsa de Valores de Cabo Verde. O papel da BVC no financiamento da economia é crucial”, salientou.

“Estamos a criar as condições para o que o mercado de capitais e da Bolsa de Valores de Cabo Verde se desenvolva, de modo a que possa garantir liquidez ao mercado secundário”, prometeu o ministro no seu discurso.

Entretanto, recordou que o Governo tomou algumas medidas para diminuir o problema do financiamento das empresas, como liberalizar a movimentação de capitais e rever o Código de Benefícios Fiscais.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,19 abr 2018 7:20

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 abr 2018 15:59

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.