Pessoal empregado nos estabelecimentos hoteleiros regista decréscimo de 82,6%

PorSheilla Ribeiro,30 mar 2021 10:52

Em finais de Dezembro de 2020 verificou-se um decréscimo de 82,6% em pessoal empregado nos estabelecimentos hoteleiros do país face ao mesmo período do ano anterior, segundo os dados revelados hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

De acordo com os dados do inventário anual realizado pelo Instituto Nacional de Estatística, no final de 2020, estiveram em actividade 124 estabelecimentos hoteleiros, menos 56,3% que no mesmo período do ano 2019.

Esses estabelecimentos hoteleiros ofereceram uma oferta de 2.614 quartos traduzindo-se num decréscimo de 80,0% em relação a 2019. Registaram-se também decréscimos em camas e capacidade de alojamento de 80,6% e 79,7% respectivamente.

“Verificou-se também decréscimos, em pessoal empregado, de -82,6% face ao mesmo período do ano anterior”, lê-se.

Em finais de 2020, os estabelecimentos hoteleiros inventariados empregavam cerca de 1.577 pessoas, o que corresponde a um decréscimo acentuado de (88,6%) em relação ao mesmo período do ano 2019.

O INE informa ainda que os hotéis continuam a empregar o maior número de pessoas, representando cerca de 70,9% do total do pessoal. Seguem-se as pensões (14,1%), e as residenciais (7,7%).

“A ilha do Sal continua a ser a ilha com maioria do pessoal empregado, nos estabelecimentos de alojamento turístico. Cerca de 35 em cada 100 empregados dos referidos estabelecimentos estão nessa ilha; em seguida aparecem as ilhas Santiago com 33,3%, Santo Antão com 13,9% e São Vicente com 11,0%. A ilha da Boa Vista passou a ocupar 6º lugar invés do 2º lugar ocupado em 2019”, refere.

Segundo o INE, em todas as ilhas ocorreram decréscimos em termos de número de estabelecimentos em funcionamento. Entretanto, o maior decréscimo ocorreu na Ilha de São Vicente com menos 39 estabelecimentos hoteleiros.

Já as ilhas de Santiago, Fogo, Boa Vista e Sal registaram decréscimos de 29, 22, 21 e 20 estabelecimentos, respectivamente face ao ano anterior.

Relativamente ao tipo de alojamento, verificou-se diminuição em todos os tipos. O maior decréscimo verificou-se nas residenciais, com menos 59 estabelecimentos, face ao ano 2019.

São seguidas dos hotéis (44), pensões (36) e hotéis-apartamentos (14). Diminuição menos acentuada verificou-se nas pousadas e aldeamentos turísticos, com 5 e 2 estabelecimentos respectivamente.

As pensões passaram a ser os estabelecimentos com maior peso, representando cerca de 33,1% do total, ficando as residenciais e os hotéis em segundo e terceiro lugares com 31,5% e 23,4%, respectivamente.

No período em análise, os quartos disponíveis continuam a ter maior expressão na ilha do Sal, 30,3%. Santiago passa a ocupar o 2º lugar, com 24,8%, e Santo Antão o 3º com 23,5%. A Ilha da Boa Vista de 2º lugar em 2019 passou a ocupar 6º lugar com um peso de 1,9%.

Por tipo de estabelecimentos, os hotéis continuam a liderar com 63,2% dos quartos, seguidos pelas pensões e residenciais representando 16,9% e 12,7% respectivamente.

Ainda de acordo com os dados do INE, a oferta de camas concentrou-se principalmente na ilha do Sal (35,2%). Seguem-se as ilhas de Santiago com 24,4% e Santo Antão com 21,0%. A Ilha da Boa Vista passou a ocupar 5º lugar (2,1%) invés do 2º lugar ocupado em 2019 que representava 30,4%. As restantes ilhas ofereciam cerca de 17,3% do total das camas disponíveis.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,30 mar 2021 10:52

Editado porSara Almeida  em  30 mar 2021 16:31

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.