O que oferecem os novos iPhones

PorExpresso das Ilhas,25 set 2018 6:17

​Melhor aproveitamento da tela, câmara e processador são as principais inovações nos modelos lançados

Nem iPad nem computadores nem a prometida base de carga sem fio anunciada há um ano. Na passada quarta-feira, 12, na sua sede em Cupertino (Califórnia), a Apple apoiou- se na apresentação do novo iPhone, que continua a ser a espinha dorsal da empresa. Um dispositivo nascido há 11 anos que revolucionou as telecomunicações móveis e o mundo do software.

Essa foi a grande inovação há mais de uma década e a Apple continua a potenciá-lo. Não conseguiu replicá-lo no iPad e no Apple Watch, mas insiste nisso. Em comparação com o Apple Watch, que precisa de mais tempo de uso para uma análise de suas características, no iPhone fica mais fácil ver os efeitos da inovação.

Nesta nova fornada há um importante denominador comum: a morte do botão “Home” é certificada. A tela inteira é tátil, mas não há sensor de impressões digitais. O reconhecimento facial passa a ser a norma no futuro da Apple. O rosto como chave de acesso ao dispositivo pessoal. Algo que há cinco anos parecia ficção científica hoje é a norma. A tela de lado a lado, quase sem bordas, especialmente no Max, é um suporte ideal para vídeos, fotos e jogos, que encontram um bom aliado no novo processador A12 Bionic.

Depois de tanto usar o Xr, o modelo mais modesto, e o X Max, o mais poderoso dos criados pela Apple até agora, nota-se um salto significativo. É difícil qualificar o Xr como de faixa média de preço porque custa tanto como a maioria dos modelos mais caros, mas seu desempenho seria similar ao do actual iPhone X, que deixou de ser vendido pela fabricante.

O Xr destaca-se pelas cores chamativas, projectadas para os mais extravagantes. Mantém a sensação de deslizar quando se pega na mão. É bom colocar uma capa de protecção, para evitar desgostos.

A câmara frontal é de nova geração, mas a traseira não é dupla. As fotos tiradas em interiores destacam-se pela cor realista, mas não vão além disso.

No caso do Max, a câmara dupla tem resultados surpreendentes. Tanto em disparo contínuo, como em retratos. O vídeo vai um passo além. Com tela de 6,8 polegadas, o lazer e o trabalho andam de mãos dadas. O utilizador já pode consultar planilhas e relatórios, e usar a Netflix com uma sensação imersiva. Nota-se o esforço para encaixar uma tela tão generosa sem aumentar as bordas. Este tamanho possibilita editar áudio com Garage Band e vídeo com o iMovie.

E, finalmente, conseguiram anunciar algo necessário, a resistência à água, pó e pancadas. Um dispositivo tão caro, de uso diário constante, não deveria ser tão frágil.

O bokeh, o ajuste de abertura depois de tirar a foto, algo comum nos Androids da Samsung, Huawei e Xiaomi, chega à Apple, a toda nova gama. E vem carregado de naturalidade e inteligência artificial para dar a sensação de uso da abertura de uma câmara profissional. Faz isso a posteriori, mas com resultados espectaculares.

A dúvida final é a dos anos anteriores. Vale a pena pagar mais de mil euros (quase 5 mil reais) por um telefone celular?

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 877 de 19 de Setembro de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Apple iphone

Autoria:Expresso das Ilhas,25 set 2018 6:17

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 jun 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.