Micróbios que comem plástico podem ser a solução para limpar os oceanos

PorExpresso das Ilhas,3 jun 2019 6:34

Há muito plástico nos oceanos – e a culpa é nossa. Mas há algo inesperado que nos poderá ajudar a reverter este terrível problema ambiental: micróbios marinhos que comem plástico.

Numa nova investigação, uma equipa internacional de cientistas estudou a forma como as comunidades de micróbios se acumulam nos plásticos poluidores dos oceanos e contribuem para a sua degradação – um mecanismo biológico natural que poderíamos explorar.

Quando o plástico entra nos oceanos, é desgastado devido a uma série de factores não biológicos, incluindo radiação ultravioleta, temperaturas flutuantes e forças de abrasão na água do oceano.

Estes processos ambientais iniciam a devolução do material em fragmentos de microplásticos e nanoplásticos cada vez menores – mas os factores de tensão não agem sozinhos.

“A degradação abiótica precede e estimula a biodegradação, já que os grupos carbonílicos são gerados na superfície”, explicaram os investigadores, liderados pelo engenheiro ambiental Evdokia Syranidou, da Universidade Técnica de Creta, na Grécia, citados pelo online zap.aeiou.pt.

Para estudar o quão eficiente será esta mastigação microbiana em relação a partir ainda mais os plásticos, os cientistas recolheram amostras de detritos de polietileno (PE) e poliestireno (PS) naturalmente desgastados em duas praias da Grécia.

Os plásticos foram expostos a dois tipos diferentes de comunidades microbianas: organismos que ocorrem naturalmente no oceano e cepas bio-aumentadas ajustadas para formar biofilmes mais fortes em superfícies plásticas. Após cinco meses de exposição microbiana, as peças de plástico foram pesadas, revelando que os organismos nativos tinham conseguido reduzir o peso do PS em até 11% e do PE em até 7%.

De acordo com o estudo publicado na revista Journal of Hazardous Materials, a cepa não comeu tanto plástico, embora a equipa tenha observado que “parece mais eficiente em aderir às peças desgastadas e desenvolver uma comunidade de biofilme” de maior abundância.

Os resultados mais bem-sucedidos vieram de uma experiência que usou “micróbios aclimatados” – organismos já expostos aos plásticos numa simulação anterior. Noutras palavras, parece que as criaturas podem desenvolver um gosto pelos plásticos e comer mais com o tempo.

Durante anos, os cientistas investigaram a forma como os organismos poderiam comer os nossos resíduos de plástico. Cada avanço que fazemos pode ajudar nos esforços de limpeza – mesmo que a maior solução seja resolver o problema na fonte.

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 913 de 29 de Maio de 2019. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,3 jun 2019 6:34

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  3 jun 2019 6:34

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.