CV Telecom investe em mais dois rectificadores para caso de incidentes

PorExpresso das Ilhas, Lusa,13 ago 2020 7:10

A operadora de telecomunicações CV Telecom vai adquirir mais dois rectificadores alternativos em caso de incidente, como o incêndio há um mês que deixou Cabo Verde vários dias com problemas nas comunicações, disse o presidente da empresa esta quarta-feira.

“Este incêndio foi um acontecimento fortuito, numa sala de rectificadores. Já montámos um segundo retificador e estamos a avaliar a aquisição de um outro retificador alternativo caso venha a haver incidentes”, disse à agência Lusa o presidente do Conselho de Administração da CV Telecom, João Domingos Correia.

Segundo João Domingos Correia, “ninguém pode prever isso”, mas a empresa está “a tomar as medidas para que não aconteça”, para “evitar que o país caia na ruptura de comunicação”.

Além do actual rectificador, que já está operacional, o presidente afirmou que outro, que já está em processo de compra, vai ser instalado na CV Telecom, mas não no edifício.

Já o terceiro vai ser instalado no terminal do cabo submarino para ligar à Europa e América Latina, cujo projecto foi lançado esta quarta-feira na zona industrial de Achada Grande Frente, na cidade da Praia, ilha de Santiago, e deverá ficar pronto dentro de cinco meses.

Rectificador é um equipamento para garantir o abastecimento ininterrupto e correcto dos provedores de internet (entidades que oferecem este serviço) de forma remota.

Relativamente aos problemas de internet, João Domingos Correia garantiu que já está “praticamente tudo reestabelecido” e que a empresa já está a tomar medidas no sentido de mitigar os riscos e as ameaças que eventualmente possam ocorrer.

Este responsável adiantou que o incêndio do dia 11 de Junho não é o primeiro incidente que provoca problemas no sistema de internet do país, apontando uma ruptura em Janeiro do cabo submarino internacional, que também deixou o país quase um dia sem internet.

No âmbito do incêndio de há um mês, a operadora Unitel T+ criticou a “dependência de um único” provedor de internet em Cabo Verde, reclamando um “acesso igualitário à rede básica” de telecomunicações como prevê a lei, nomeadamente aos cabos submarinos.

O presidente da CV Telecom referiu que a adesão da Unitel T+ ao cabo submarino internacional não resolverá o problema, uma vez que esta operadora concorrente não tem a mesma rede de comunicação interna.

Por outro lado, informou que a Unitel T+ já está autorizada a ligar ao cabo submarino e a fazer instalação dos seus equipamentos, mas para comprar capacidade de internet, ficando com ligação internacional.

“Mas a nível do país eles não têm a capilaridade de rede que nós temos. Não resolverá o problema, teriam de fazer muito mais investimentos para lá chegar”, esclareceu o presidente da empresa à Lusa, para quem a CV Telecom tem de se assumir como “empresa pilar” neste processo.

João Domingos Correia reafirmou que a CV Telecom tem um caso em tribunal contra a entidade reguladora (ARME), por discordar dos procedimentos na autorização do acesso ao cabo submarino à concorrente Unitel T+.

“Mas com a Unitel já estamos a negociar, já escolheram o espaço e vão instalar-se”, declarou, esclarecendo que os equipamentos da Unitel não estarão ligados aos cabos submarinos internacionais enquanto a operadora não comprar essa capacidade de internet.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,13 ago 2020 7:10

Editado porSara Almeida  em  18 set 2020 5:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.