Novas mutações na variante Delta Plus em relação à Delta são identificadas

PorExpresso das Ilhas,1 out 2021 9:56

A variante Delta Plus, oficialmente denominada pelos cientistas por AY.1, inclui múltiplas mutações exclusivas comparativamente à sua 'irmã' Delta, e não somente uma como se pensava até agora.

Conforme explica um artigo publicado na revista Galileu, a descoberta surpreendente e preocupante foi feita num estudo realizado por investigadores da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, e ajuda a explicar como a estirpe tem evadido os anticorpos contra a Covid-19 e se disseminado um pouco por todo o mundo.

A Delta Plus foi identificada originalmente em Março deste ano no Nepal. Trata-se de uma subvariante da estirpe Delta, que por sua vez surgiu pela primeira vez na Índia em Outubro de 2020.

Até ao momento a Delta Plus já foi identificada em 44 países, tendo sido registadas 1.536 amostras da mesma pelo mundo até esta quarta-feira, dia 29 de Setembro, segundo o rastreador Outbreak.info, do instituto de pesquisa Scripps Research, reporta a Galileu.

Os países com maior número de casos são Estados Unidos (1.046), Reino Unido (67) e Índia (60).

Os cientistas já estavam a par que a Delta Plus apresentava uma mutação adicional no código da proteína espículas (ou 'spike'), elemento que permite que o novo coronavírus SARS-CoV-2 invada as células dos seres humanos infectados.

E agora, após analisarem mais de 300 mil amostras de doentes infectados com as variantes Delta e Delta Plus, os investigadores norte-americanos constataram que a Delta Plus tem um número significativo de mutações de alta prevalência - superior ou igual a 20% -, comparativamente à estirpe original.

Mais ainda, explica a revista Galileu, mutações típicas na proteína espícula, como a G142D, A222V e T95I, também foram identificadas em maior quantidade na subvariante.

Como se não bastasse, os cientistas detetcaram igualmente três mutações na 'spike' (K417N, V70F e W258L) que estavam exclusivamente presentes na Delta Plus. Com uma incidência de aproximadamente 60%, foi registada ainda uma nova mutação na estirpe, presente na posição A1146T do gente ORF1a e que contribui para a produção de proteínas envolvidas no processo de replicação do novo coronavírus SARS-CoV-2.

Adicionalmente, conta a Galileu, cinco mutações em particular — T95I, A222V, G142D, R158G e K417N — mostraram serem mais predominantes na Delta Plus do que na variante Delta.

"Com base nos resultados apresentados aqui, é claro que as variantes Delta e Delta Plus têm perfis de mutação exclusivos, e a variante Delta Plus não é apenas uma simples adição de K417N à variante Delta", escreveram os autores do estudo.

De acordo com os académicos, os dados apurados denunciam as mutações morfológicas sempre em evolução do novo coronavírus, ajudando consequentemente a explicar os casos de pessoas previamente infectadas ou que já tomaram a vacina e que ainda assim adoecem com COVID-19.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,1 out 2021 9:56

Editado porAndre Amaral  em  19 out 2021 20:19

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.