Empresa queniana usa jornais reciclados para produzir “lápis do futuro”

PorExpresso das Ilhas,17 mai 2022 9:19

O lápis é um dos instrumentos de escrita mais antigos do mundo e que ainda hoje é muito usado. Mesmo se tratando de um objecto simples, gera negócio e a sua produção, em larga escala para suprir a demanda, também gera impactos ambientais. Mas, este problema tem solução: o lápis ecológico, através de jornais 100% reciclados.

A Momo Pencils nasceu em 2017, em Nairobi, no Quénia, pelas mãos de Mahamud Omari e Rashid Omar e fabrica mais de 100 mil lápis ecológicos, por ano, de todas as cores e padrões, por ano.

O objectivo da empresa é diminuir a importação de lápis para o Quénia, reduzir o lixo e diminuir o abate de árvores, que é de cerca de 8 milhões por ano, segundo as Nações Unidas. A Momo sublinha, no seu site, que “o lápis do futuro não pode ser feito de árvores”.

Os lápis ecológicos são fabricados sem recurso a madeira e através de jornais 100% reciclados, não contêm plásticos, polímeros ou químicos tóxicos e incluem sementes de árvore.

Com a preocupação em relação ao ambiente e ao futuro sempre presente, a Momo Pencils já realizou sessões de sensibilização em várias escolas quenianas, nas quais, além de doar os lápis que produz, incentivou as crianças a plantar árvores.

À Radio France International, a direcção da empresa disse que pretende alargar a gama de produtos disponíveis: “No próximo ano começaremos a fazer lápis de cera, assim como lápis de maquilhagem.” Admitem, ainda, aproveitar para explorar um mercado menos óbvio: sinais de trânsito.

“No Quénia, por vezes, os sinais de trânsito são roubados para revender o metal. O nosso material é à prova de água, portanto podemos fazer sinais que ninguém vai querer roubar”, acrescentou.

Mesmo sendo a única fabricante de lápis no Quénia, a Momo trabalha numa lógica business to business, comercializando o produto para outras empresas, escolas e o Governo.

A estratégia de venda foi adoptada depois de a fabricante se deparar com dificuldades em colocar os produtos nas prateleiras de supermercados.

Não obstante, de olhos postos no futuro, a direcção da Momo assegurou à RFI ainda não ter riscado da sua lista de objectivos a entrada dos lápis “verdes” no mercado de massas. Nem que para isso tenham de tentar investir numa rede de distribuição própria.

Até lá, a missão da Momo passa por alterar o paradigma do consumo de lápis, em particular nas instituições de ensino. Por um futuro onde sobrem muitas mais árvores para desenhar.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,17 mai 2022 9:19

Editado porAndre Amaral  em  17 mai 2022 9:32

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.