Airbus pioneira nos aviões movidos a hidrogénio

PorExpresso das Ilhas,30 set 2020 7:12

Na passada semana a Airbus apresentou três conceitos de aviões movidos a hidrogénio, sendo que tenciona colocar ao serviço a primeira aeronave alimentada por este elemento em 2035. Com isto, a empresa estará na linha da frente no que toca às mudanças na indústria da aviação.

A aviação tem um peso de mais de 3% nas mudanças climáticas, segundo um estudo recente, mas o futuro pode ser mais ecológico quando os aviões da Airbus forem alimentados com hidrogénio como pretende a empresa.

O objectivo final é mesmo voos com zero emissões, sendo que o “o uso de hidrogénio, tem potencial para reduzir significativamente o impacto climático da aviação”, explica Guillaume Faury, CEO da Airbus.

Pouco foi ainda revelado sobre os novos aviões, mas pelo menos um dos três deverá ter um alcance de mais de 3700 km, e será capaz de transportar entre 120 e 200 passageiros. Os motores de turbina a gás serão alterados para que funcionem com hidrogénio líquido.

O segundo avião a ser desenvolvido, de acordo com a ZAP, terá capacidade para 100 passageiros e vai usar turboélices. Também este avião integrará motores de turbina a gás modificados, mas é mais direccionado para saltos curtos, sendo de esperar um alcance de 1852 km.

O terceiro avião da Airbus é o mais impressionante visualmente. A aeronave vai transportar até 200 passageiros, e possui uma asa voadora com uma capacidade e autonomia semelhantes ao conceito do turborreator.

O uso de hidrogénio como combustível está a ser dificultado principalmente no no armazenamento e transporte, uma vez que este requer quatro vezes mais espaço de armazenamento, e, acima de tudo, deve ser liquefeito a -250 graus, explicou o director-geral da aviação civil francesa, Patrick Gandil.

Segundo o New Atlas, os tanques criogénicos devem resistir à pressão, e ter forma cilíndrica ou esférica, “por isso não podem ser colocados nas asas, como é feito actualmente” explica Gandil. Isto abre caminho para inúmeras mudanças possíveis na forma do avião, além de permitir implementar motores nas asas.

Muitos estados europeus já fizeram do hidrogénio um dos principais eixos para o futuro desenvolvimento do sector aéreo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,30 set 2020 7:12

Editado porSara Almeida  em  30 set 2020 7:12

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.