​Macron recusa dar lições à China sobre Direitos Humanos, seria "ineficaz"

PorLusa,10 jan 2018 9:27

Emmanuel Macron
Emmanuel Macron

O Presidente francês, Emmanuel Macron, recusou na terça-feira à noite, em Pequim, dar "lições" à China, ou referir em público a situação dos Direitos Humanos no país, porque isso seria "totalmente ineficaz".

"Existem diferenças entre nós, que estão relacionadas com a nossa História, as nossas filosofias e natureza das nossas sociedades", disse Macron, durante a declaração conjunta, ao lado do seu homólogo chinês, Xi Jinping.

"Eu posso-me divertir a dar lições à China através da imprensa francesa. Isso já foi feito muitas vezes, mas sem resultados", assegurou.

Emmanuel Macron termina hoje uma visita de três dias à China.

Segundo a presidência francesa, a questão dos direitos humanos foi abordada por Emmanuel Macron, com os líderes chineses, mas em privado.

O chefe de Estado francês recusou, no entanto, comentar sobre este assunto publicamente.

"É totalmente ineficaz: acredito na diplomacia de respeito mútuo. Temos que trabalhar a longo prazo", afirmou.

A organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch (HRW) afirmou no início da viagem que o líder francês "deve cumprir" o compromisso de exigir maior respeito pelos direitos humanos na China.

A HRW pediu a Macron que reitere publicamente o apelo francês para que seja dada total liberdade de movimento a Liu Xia, viúva do falecido dissidente e prémio Nobel da Paz Liu Xiaobo.

Liu Xia é mantida em prisão domiciliária desde que Liu recebeu o Nobel da Paz, em 2010, situação que se prolongou após a morte do marido, em Julho passado.

Emmanuel Macron confirmou ter abordado a questão dos direitos humanos, em privado.

"Mencionei essas preocupações ao Presidente Xi Jinping. Ele sabe que elas existem na Europa, especialmente no que diz respeito às liberdades e direitos universais", afirmou.

A questão dos direitos humanos é uma fonte de persistente tensão entre o governo chinês e os países mais ricos, sobretudo na Europa e na América do Norte, que tendem a enfatizar a importância das liberdades políticas individuais.

Para as autoridades chinesas, "o direito ao desenvolvimento é o mais importante dos direitos humanos" e o "papel dirigente" do PCC, no poder desde 1949, é "um princípio cardeal".

Desde a ascensão ao poder do Presidente chinês, Xi Jinping, em 2012, as autoridades prenderam dezenas de activistas dos direitos humanos, acusados de subversão do poder do Estado ou perturbação da ordem social.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lusa,10 jan 2018 9:27

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  16 nov 2018 3:23

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.