Alguns municípios angolano só terão presidente de Câmara daqui a 17 anos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,7 jun 2018 7:45

Lubango
Lubango

Os presidentes de Câmara e restantes órgãos autárquicos em Angola vão ser eleitos para mandatos de cinco anos, mas só nas quartas eleições, previsivelmente em 2035, é que o processo deverá estar concluído em todo o país.

Em causa está o princípio do gradualismo na implementação das autarquias, defendido pelo Governo e que está plasmado no pacote autárquico em consulta pública até 31 de Julho, com vista à realização das primeiras eleições locais em Angola em 2020.

De acordo com a proposta de Lei de Organização e Funcionamento das Autarquias Locais, um dos seis documentos em consulta pública desde 01 de Junho, o período do mandato dos órgãos eleitos das autarquias locais, entre presidente da Câmara e eleitos à Assembleia Municipal, é de cinco anos.

A mesma proposta, consultada pela Lusa, refere que o presidente da Câmara Municipal, bem como os secretários da câmara, os secretários comunais e de distrito urbano, designados pelo líder eleito do município, "exercem as suas funções em regime de exclusividade", contrariamente aos eleitos à Assembleia Municipal, que ficam em regime de voluntariado, com direito a senhas de presença por reunião. 

À Câmara Municipal cabe o poder executivo, enquanto a fiscalização é assegurada pelo plenário da Assembleia Municipal. 

Actualmente, o poder local em Angola é garantido por administradores municipais designados pelos 18 governadores provinciais, por sua vez nomeados e exonerados pelo Presidente da República. 

A legislação agora em consulta pública refere que "após a institucionalização de cada autarquia local", com a eleição dos respectivos órgãos, "observa-se um período de transição de três meses" entre a Administração Municipal, central, e a nova administração autárquica.  

"Durante o período de transição a Administração Municipal procede à passagem das pastas e do património e presta toda a colaboração necessária com vista um melhor enquadramento por parte da administração autárquica", lê-se ainda. 

Embora sem data ainda marcada, o Presidente angolano, João Lourenço, anunciou em Março último o ano de 2020 como previsão para a realização das primeiras eleições autárquicas em Angola. 

De acordo com a proposta de Lei Sobre a Institucionalização das Autarquias Locais, está prevista uma "experiência inicial", com a criação de autarquias, entre os actuais mais de 170 municípios do país, com base em alguns critérios. 

"O processo de implementação das autarquias locais passa pelo reforço da desconcentração administrativa, acção que o Executivo se propõe começar a realizar ainda no decurso do presente ano de 2018. A desconcentração começa pela transferência de competências e recursos humanos e financeiros para os municípios, pela aprovação dos planos de desenvolvimento municipal", disse em Fevereiro o Presidente angolano, João Lourenço. 

No modelo proposto pelo Governo e contestado pelos partidos da oposição, que reclamam eleições em simultâneo em todo o país, serão escolhidos para integrarem as primeiras eleições "alguns municípios" que "apresentem níveis de desenvolvimento sócio-económico e de infraestruturas expressivos no quadro da respectiva província". 

Serão também escolhidos alguns municípios rurais, com pelo menos 500.000 habitantes, desenvolvimento sócio-económico e um historial de capacidade de arrecadação de receita de pelo menos 15% face à média da despesa pública orçamental nos últimos três anos. 

E ainda alguns municípios com menos de 50.000 habitantes, que apresentem segmentos de economia local específicos, e estruturados, além de, igualmente, um historial de arrecadação de receita de pelo menos 5% face à média da despesa pública orçamental nos últimos três anos. 

Serão igualmente escolhidos "alguns municípios com fraca capacidade de arrecadação de receita", que possuam um mínimo de 250.000 habitantes, outros "com grande expressão e particularidades culturais, tendencialmente do interior do país" e outros que apresentem "dinâmicas de desenvolvimento local assentes na agricultura e pecuária". 

A mesma proposta de lei diz que "compete à Assembleia Nacional proceder à aprovação da lista dos municípios nos quais devem ser institucionalizadas as autarquias locais para a experiência inicial". 

"O processo de implementação das autarquias locais em todos os municípios do país deve ser concluído num período não superior a 15 anos, após a realização das primeiras eleições autárquicas", refere a proposta.

Em cima da mesa está a realização de eleições autárquicas em 2020, 2025, 2030 e 2035, prazo limite para a concretização do alargamento do novo modelo de gestão local a todos os municípios do país. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,7 jun 2018 7:45

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  7 jun 2018 12:57

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.