Jovens são o foco do Dia Mundial da Saúde Mental

PorExpresso das Ilhas,10 out 2018 14:27

O isolamento aumenta a probabilidade de desenvolvimento de doença mental
O isolamento aumenta a probabilidade de desenvolvimento de doença mental(Unknown)

Assinala-se hoje o Dia Mundial de sensibilização para a Saúde Mental e este ano a Organização Mundial da Saúde definiu como lema “Jovens e a saúde Mental num Mundo em Mudança”.

Por todo o mundo estão hoje a acontecer acções de alerta e conscientização para a importância da saúde mental, como forma de marcar a efeméride instituída em 1992 pela Federação Mundial de Saúde Mental (World Federation for Mental Health precisamente com o propósito de promover uma oportunidade anual para aumentar o conhecimento público sobre saúde mental.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera a saúde mental uma prioridadea nível global, pôs este ano o foco nos jovens.

“A adolescência e os primeiros anos da vida adulta são uma época da vida em que ocorrem muitas mudanças, por exemplo, mudar de escola, sair de casa e começar a universidade ou um novo emprego. Para muitos, estes são tempos emocionantes. Podem também ser momentos de stress e apreensão no entanto. Em alguns casos, se não for reconhecido e gerenciado, esses sentimentos podem levar à doença mental”, lê-se no sítio oficial da instituição internacional.

Na mesma mensagem, a OMS alerta para a forma como as tecnologias online estão a afectar a saúde mental dos jovens, ainda que se reconheça os seus muitos benefícios. “O uso crescente de tecnologias on-line também pode trazer pressões adicionais, à medida que aumenta a conectividade a redes virtuais a qualquer hora do dia ou da noite.”

A Literatura específica sobre esta matéria ainda é controversa sobre a associação do tempo de acesso às redes sociais e saúde mental, mas especialistas apontam três hipóteses que podem nortear a relação: a depressão, auto-estima (baixa ou excessiva) e dependência (embora a dependência às redes sociais ainda não seja um diagnóstico psiquiátrico).

Na sua comunicação a OMS alerta que adolescentes em zonas afectadas por emergências humanitárias – como conflitos armados, desastres naturais e epidemias – estão, conforme a OMS, particularmente vulneráveis a problemas mentais e doenças. A organização refere ainda que metade de todas as doenças mentais tem início aos 14 anos, mas a maioria dos casos não é detectada nem tratada.

“Em termos da carga da doença entre adolescentes, a depressão é a terceira causa principal. O suicídio é a segunda principal causa de morte entre os jovens de 15 a 29 anos. O uso prejudicial de álcool e drogas ilícitas entre adolescentes é uma questão importante em muitos países e pode levar a comportamentos de risco, como sexo inseguro ou condução perigosa. Transtornos alimentares também são motivo de preocupação”.

Outros dados referem que em cada 100 pessoas 30 sofrem ou virão a sofrer de problemas de saúde mental. Ainda assim persistem os falsos conceitos relacionados à saúde mental como: “as doenças mentais são fruto da imaginação”, “as doenças mentais não têm cura”, “as pessoas com doença mental são pouco inteligentes, preguiçosas ou perigosas”, entre outros.

A prática de exercício físico é uma das acções preventivas mais recomendadas para a manutenção ou recuperação de saúde mental já que garante vantagens para esta. Para além de outras razões há o facto do exercício físico activar as endorfinas( hormona ou substância química que, transportada pelo sangue, faz comunicação com outras células, e produz sensação de bem estar).

Estudo avançado pelo The Lancet Psychiatry Journal refere que pessoas que não se exercitam regularmente têm, em média, 3 a 4 dias por mês de stress ou depressão, já nos casos de quem pratica alguma actividade física, conta com apenas dois dias de stress por mês, em média. Isso independentemente do seu peso. Ainda, o exercício físico permite a prevenção e deteoriação cognitiva, o que leva à prevenção de doenças como Alzheimer, alivia a ansiedade e melhora o desempenho geral do cérebro, seja em processo de aprendizagem como de tomadas de decisões. Por fim, também a produtividade é melhorada.

Outras formas de combater ou prevenir doenças mentais recomendadas passam por evitar o isolamento, reforçar laços familiares e de amizade, diversificar os interesses e manter-se intelectualmente activo. Isso sem descurar a consulta a um médico.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,10 out 2018 14:27

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  11 out 2018 7:14

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.