Papa Francisco em Marrocos para visita oficial

PorExpresso das Ilhas, Lusa,30 mar 2019 14:38

Diálogo inter-religioso, clima e migrações no primeiro discurso de Francisco em Rabat
Diálogo inter-religioso, clima e migrações no primeiro discurso de Francisco em Rabat

Sumo Pontífice chegou este sábado a Rabat para iniciar uma visita de dois dias, quase 33 anos depois de João Paulo II, que esteve no país africano em 1985, e oitocentos anos depois do histórico encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão al-Malik al-Kamil

Francisco foi recebido pelo rei Mohamed VI, que estava acompanhado pelo príncipe herdeiro Moulay Hassan, e pelo irmão do monarca, o príncipe Moulay Rachid.

“Aqui nesta terra, ponte natural entre a África e a Europa, desejo reiterar a necessidade de unirmos os nossos esforços para dar novo impulso à construção dum mundo mais solidário, mais empenhado num diálogo honesto, corajoso e necessário que respeite as riquezas e especificidades de cada povo e de cada pessoa. Trata-se dum desafio que todos somos chamados a assumir, sobretudo neste tempo em que se corre o risco de fazer das diferenças e mútuo desconhecimento motivos de rivalidade e desagregação”, disse o Papa no primeiro discurso às autoridades e ao povo marroquino, citado no Vatican News.

O diálogo inter-religioso e uma aproximação à comunidade cristã marroquina são os temas que irão marcar a visita de Francisco a Marrocos, a convite do rei Mohamed VI.

Segundo admitiram responsáveis do Vaticano, citados pela Lusa, a viagem terá uma dimensão muito marcada de "diálogo entre religiões" e de "fraternidade entre as várias confissões", incluindo ainda uma aproximação à comunidade marroquina de cristãos. O que acabou por ser patente no discurso inaugural do Papa Francisco.

“Um diálogo autêntico convida-nos a não subestimar a importância do factor religioso para construir pontes entre os homens e enfrentar com êxito os desafios antes mencionados. De facto, no respeito das nossas diferenças, a fé em Deus leva-nos a reconhecer a eminente dignidade de todo o ser humano, bem como os seus direitos inalienáveis. Acreditamos que Deus criou os seres humanos iguais em direitos, deveres e dignidade, e chamou-os a viverem como irmãos e espalharem os valores do bem, da caridade e da paz”, disse Francisco, este sábado, em Rabat. As alterações climáticas e as migrações foram outros temas abordados neste primeiro discurso.

O convite partiu do rei marroquino, Mohamed VI, a quem o Comité de Cristãos Marroquinos tem reconhecido esforços para tornar o país mais tolerante, sobretudo depois de ter organizado, em 2016, a "Conferência sobre Minorias Religiosas em Países Islâmicos".

Após o discurso, Francisco seguiu para a primeira paragem com valor verdadeiramente "político" ao Instituto de Imãs da capital, um lugar simbólico para os líderes religiosos e a reunião tem como objectivo uma aproximação entre os representantes de duas das maiores religiões do mundo.

No domingo, o dia terá início com uma visita do papa ao Centro Rural de Serviços Sociais do município de Temara, no sul de Rabat, a que se seguirá uma ida à catedral da capital. Aqui Francisco terá um encontro com sacerdotes e outros religiosos e com o Conselho Ecuménico das Igrejas, altura em que acontecerá outro dos momentos-chave da visita: o Angelus, uma oração importante para os católicos e em que o papa faz, habitualmente, os principais apelos.

A viagem será concluída a seguir ao almoço com uma cerimónia de despedida no aeroporto de Rabat, de onde Francisco sairá às 17:15 locais (15:15 na Praia).

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,30 mar 2019 14:38

Editado porJorge Montezinho  em  25 dez 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.