IATA pede a governos africanos que protejam companhias aéreas

PorExpresso das Ilhas,2 abr 2020 11:27

A Associação do Transporte Aéreo Internacional (IATA) apelou esta quinta-feira a uma acção urgente dos governos em África e no Médio Oriente no sentido de proporcionar alívio financeiro às companhias aéreas.

A IATA estima que as potenciais perdas de receitas pelas transportadoras em África e no Médio Oriente já tenham atingido os 23 mil milhões de dólares (19 mil milhões de dólares no Médio Oriente e 4 mil milhões de dólares em África). Isto traduz-se numa queda das receitas da indústria de 32% para África e de 39% para o Médio Oriente em 2020, em comparação com 2019.

O documento da IATA aponta que a pandemia de COVID-19 já causou alguns impactos a nível nacional que incluem:

Arábia Saudita

26,7 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 5,61 mil milhões de dólares, pondo em risco 217.570 postos de trabalho e 13,6 mil milhões de dólares de contribuição para a economia da Arábia Saudita.

Emirados Árabes Unidos

23,8 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 5,36 mil milhões de dólares, arriscando 287.863 postos de trabalho e 17,7 mil milhões de dólares em contribuição para a economia dos EAU.

Egipto

9,5 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 1,6 mil milhões de dólares, pondo em risco quase 205 560 postos de trabalho e cerca de 2,4 mil milhões de dólares em contribuição para a economia egípcia.

Qatar

3,6 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 1,32 mil milhões de dólares, pondo em risco 53.640 postos de trabalho e 2,1 mil milhões de dólares de contribuição para a economia do Qatar.

Jordânia

2,8 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 0,5 mil milhões de dólares, arriscando 26 400 postos de trabalho e uma contribuição de 0,8 mil milhões de dólares para a economia da Jordânia.

África do Sul

10,7 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 2,29 mil milhões de dólares, arriscando 186.850 postos de trabalho e 3,8 mil milhões de dólares em contribuição para a economia da África do Sul.

Nigéria

3,5 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 0,76 mil milhões de dólares, pondo em risco 91 380 postos de trabalho e uma contribuição de 0,65 mil milhões de dólares para a economia da Nigéria.

Etiópia

1,6 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 0,3 mil milhões de dólares, arriscando 327 062 postos de trabalho e 1,2 mil milhões de dólares em contribuição para a economia da Etiópia.

Quénia

2,5 milhões de passageiros a menos, o que resulta numa perda de receitas de 0,54 mil milhões de dólares, pondo em risco 137 965 postos de trabalho e 1,1 mil milhões de dólares em contribuição para a economia do Quénia.

“Para minimizar os vastos prejuízos que estas perdas teriam em toda a economia africana e do Médio Oriente, é vital que os governos intensifiquem os seus esforços para ajudar a indústria”. Segundo a IATA, muitos governos da região comprometeram-se a aliviar os efeitos da COVID-19. E alguns já tomaram medidas directas para apoiar a aviação, incluindo os Emiratos Árabes Unidos e o Qatar. Mas é necessária mais ajuda. A IATA está a apelar a uma mistura de “apoio financeiro directo, empréstimos, garantias de empréstimos e apoio ao mercado de obrigações de empresas benefícios fiscais”.

“Estamos também a começar a ver vários governos da região concederem alguns benefícios financeiros e fiscais, incluindo o adiamento do pagamento da locação de aeronaves pelo Governo de Cabo Verde, a prorrogação das datas de pagamento do reembolso do IVA na Arábia Saudita e considerações positivas para a concessão de benefícios financeiros aos governos de toda a região, incluindo a Jordânia, o Ruanda, Angola e os Emirados Árabes Unidos”, refere o comunicado.

"A indústria dos transportes aéreos é um motor económico, que suporta até 8,6 milhões de postos de trabalho em África e no Médio Oriente e 186 mil milhões de dólares em PIB. Cada emprego criado no sector da aviação apoia outros 24 postos de trabalho na economia em geral. Os governos devem reconhecer a importância vital do sector dos transportes aéreos, e esse apoio é urgentemente necessário. As companhias aéreas estão a lutar pela sobrevivência em todos os cantos do mundo. As restrições às viagens e a evaporação da procura significam que, para além da carga, quase não há negócio de passageiros. O facto de os governos não agirem agora tornará esta crise mais longa e mais dolorosa. As companhias aéreas demonstraram o seu valor no desenvolvimento económico e social em África e no Médio Oriente e os governos têm de lhes dar prioridade nos pacotes de salvamento. As companhias aéreas saudáveis serão essenciais para relançar o Médio Oriente e as economias globais após a crise", afirmou Muhammad Al Bakri, Vice-Presidente Regional da IATA para África e o Médio Oriente.

Para além do apoio financeiro, a IATA apelou aos reguladores para que apoiem a indústria. As principais prioridades em África e no Médio Oriente incluem o fornecimento de um pacote de medidas para assegurar as operações de carga aérea, “incluindo procedimentos acelerados para obter autorizações de sobrevoo e aterragem, isentar os membros da tripulação de voo da quarentena de 14 dias e eliminar os obstáculos económicos (taxas de sobrevoo, taxas de estacionamento e restrições de faixas horárias). Proporcionar alívio financeiro às taxas e impostos aeroportuários e de controlo do tráfego aéreo (ATC) e assegurar que a informação aeronáutica seja publicada, atempadamente, com precisão e sem ambiguidades, garantindo que as companhias aéreas possam planear e executar os seus voos”.

"Alguns reguladores estão a tomar medidas positivas. Estamos gratos ao Gana, a Marrocos, aos EAU, ao Árabe Saudita e à África do Sul por terem acordado uma derrogação à regra da utilização das faixas horárias durante toda a época. Isto permitirá às companhias aéreas e aos aeroportos uma maior flexibilidade para esta época e uma maior segurança para o Verão". Mas há mais a fazer em matéria de regulamentação. Os governos têm de reconhecer que estamos em crise", afirmou Al Bakri. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,2 abr 2020 11:27

Editado porSara Almeida  em  2 abr 2020 17:40

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.