Violência pós-eleitoral na Guiné-Conacri já provocou 21 mortos

PorExpresso das Ilhas,27 out 2020 7:17

O balanço da violência que irrompeu na Guiné-Conacri após as eleições de 18 de Outubro subiu oficialmente, na segunda-feira, para 21 mortos, enquanto a contestação à reeleição do presidente Alpha Conde não para de aumentar.

Os oposicionistas já adiantaram que "não esperam grande coisa" da mediação internacional em curso.

"O governo guinéu indicou que 21 pessoas foram mortas desde o passado dia 19 de Outubro na violência pós-eleitoral, entre as quais agentes da polícia", declarou o apresentador do jornal das 20.30 da televisão nacional RTG.

As autoridades tinham até então mencionado uma dezena de mortos, ao passo que a oposição mencionava pelo menos 27 mortos.

O ambiente em Conacri, na segunda-feira, permanecia tenso, mesmo depois de o apelo à realização de manifestações contra um terceiro mandato de Alpha Condé feito pela Frente Nacinal para a Defesa da Constituição (FNDC) ter tido pouca adesão, devido ao receio que os eventuais participantes tiveram pela sua segurança.

Os emissários da ONU, da União Africana e da Comunidade dos Estados da África Ocidental, chegados no domingo, prosseguiram os contactos com vários ministros, a comissão eleitoral e o corpo diplomático.

Também se dirigiram, ao final do dia, ao domicílio do chefe da oposição, Cellou Dalein Diallo, que se tinha declarado vitorioso do escrutínio de domingo.

Uma conferência de imprensa da delegação prevista para ontem à noite, foi adiada para a manhã de hoje.

Segundo a Amnistia Internacional, as forças de segurança desde há uma semana que fazem um uso excessivo da força, disparando contra manifestantes com balas reais.

Diallo está creditado com 33,5% dos votos, segundo os resultados provisórios anunciados, no sábado, pela comissão eleitoral (CENI), contra 59,5% o presidente cessante, Alpha Condé.

O chefe da oposição confirmou na segunda-feira a intenção de apresentar um recurso contra estes resultados, afectados, assegurou, por fraudes massivas, perante o Tribunal Constitucional, mas sem alimentar ilusões.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,27 out 2020 7:17

Editado porAndre Amaral  em  28 out 2020 0:10

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.