Governo britânico prepara-se para ausência de até 25% do pessoal ao trabalho

PorExpresso das Ilhas, Lusa,2 jan 2022 16:45

​O primeiro-ministro britânico pediu às entidades do sector público “planos de contingência” para responder à eventual ausência de até 25% dos funcionários por contágios de covid-19, anunciou hoje o gabinete de Boris Johnson.

Segundo a mesma fonte, os responsáveis destes organismos públicos devem fazer “preparativos sólidos” para o “pior cenário” e prever ausências de 10, 20 ou até 25% da força de trabalho, principalmente em sectores onde não é possível o teletrabalho, como a saúde ou a educação.

O executivo britânico teme o efeito na força de trabalho dos serviços públicos da variante Ómicron do coronavírus, mais transmissível do que as anteriores, o que se reflecte no aumento do número de pessoas em isolamento.

O Reino Unido registou recordes de infecções pelo coronavírus nos últimos dias, chegando a quase 190 mil casos na véspera de Ano Novo, com os especialistas a prever que o pico dos números pode ser alcançado em breve.

Como uma das medidas para conter a disseminação do Ómicron, o ministro da Educação, Nadhim Zahawi, pediu que os alunos do ensino secundário usem máscaras nas aulas no regresso das férias de Natal na Inglaterra, onde até agora era obrigatório apenas nas áreas comuns das escolas.

Zahawi também anunciou sete mil purificadores de ar para instalar em zonas mal ventiladas dos estabelecimentos de ensino, mas os sindicatos do sector da educação consideraram esse número insuficiente, alegando que há pelo menos 300 mil salas de aula.

A covid-19 provocou 5.428.240 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e actualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detectada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de Novembro, foram notificadas infecções em pelo menos 110 países.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,2 jan 2022 16:45

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  30 jun 2022 23:28

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.