Ajuda chega a hospital no norte de Gaza após duas semanas de bloqueio

PorExpresso das Ilhas, Lusa,12 jan 2024 7:48

A Organização Mundial da Saúde (OMS) conseguiu na quinta-feira entregar combustível e material médico ao hospital Al Shifa, no norte da Faixa de Gaza, depois de um bloqueio de duas semanas imposto por Israel.

"A equipa da OMS e os parceiros conseguiram chegar hoje [quinta-feira] ao hospital Al Shifa e entregar 9.300 litros de combustível e material médico para cuidar de mil pacientes traumatizados e cem pacientes em diálise renal", disse esta madrugada o director da agência das Nações Unidas.

Tedros Adhanom Ghebreyesus explicou que Al Shifa retomou parcialmente os serviços, o que "significa que o consumo de combustível é muito maior e a necessidade de material médico está a aumentar".

Numa publicação na rede social X, o dirigente apelou ao "acesso sustentado e seguro" para continuar a fornecer material médico, combustível, alimentos e água a Al Shifa, que era o principal hospital de Gaza.

O hospital conta agora com 60 funcionários médicos, uma enfermaria cirúrgica com 40 camas, quatro salas de cirurgia, um sector de emergência, serviços básicos de emergência obstétrica e ginecológica, uma unidade limitada de hemodiálise e serviços mínimos de laboratório e radiologia.

"Insistimos mais uma vez que a saúde deve ser protegida e nunca ser um alvo ou militarizada", frisou Tedros.

Horas antes, a OMS tinha revelado, num relatório diário, que teve que cancelar seis missões ao norte de Gaza nas últimas duas semanas, por não ter recebido autorização e garantias de segurança de Israel.

O relatório detalhou que as missões de envio de produtos médicos de emergência para a farmácia central da cidade de Gaza foram negadas em cinco ocasiões, assim como o envio de combustível necessário para pôr a funcionar as instalações de abastecimento médico foi cancelado seis vezes.

Tedros tinha apelado a Israel para que autorizasse a entrada dos funcionários da OMS e sublinhou que o principal obstáculo à entrega da ajuda não tem sido a capacidade das agências da ONU, mas sim a falta de acesso.

A OMS lamentou novos ataques a instalações de saúde em Gaza, como o sofrido na quarta-feira por uma ambulância do Crescente Vermelho palestiniano, no qual morreram quatro trabalhadores da organização e dois pacientes que já estavam feridos.

Apenas três das 21 missões de ajuda humanitária para o norte de Gaza foram realizadas desde o início de Janeiro devido aos atrasos nos postos de controlo israelitas, além de muitas estradas estarem intransitáveis, disse na quinta-feira a ONU.

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, território controlado pelo grupo islamita palestiniano Hamas, os ataques israelitas causaram 23.357 mortos e 59.410 feridos desde o início do conflito na faixa, em 07 de Outubro.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,12 jan 2024 7:48

Editado porAndre Amaral  em  19 jul 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.