Os neo-prisioneiros cabo-verdianos da pós-liberdade

PorHermano Lopes da Silva,23 jul 2019 6:27

Quem não diz o que pensa, nem pensa o que diz, “fora da caixa” (tonalidades partidárias), há-de transportar, ad aeternum, na sua íntima natureza de cárcere, um embuste, qual parasita intestinal criado como se de um animal de estimação se tratasse - um dia se retrata não saber onde começa e termina esse abominável ser; quem é, afinal, portador ou parasita?!

Apresento os meus sentidos pêsames, condolências, aos cabo-verdianos de hoje (à Nação cabo-verdiana - construção mítica menos moça que a independência), pelas irreparáveis perdas da liberdade cognitiva do pensamento próprio e do juízo, poder-se-ia ler tino, libertas das cores partidárias. 

Urge reinventar o cabo-verdiano, os intelectuais inorgânicos (nos moldes doutrora, quais Eugénio Tavares e Baltasar Lopes, etc.), começando pela despartidarização das almas e entendimentos, pela desparasitação de mitos intocáveis, recordando primatas no grau “O” da evolução civilizacional em plena era digital, pelo descomplexar dos raciocínios e atitudes como meio para se alcançar a suprema dignidade do ser humano destas Ilhas; exorcizar os fantasmas da bipolarização; desencarnar o atrevimento da ignorância; levar a todos a bênção da honestidade intelectual - ensinando que “saber que não sabe é também um saber”, aliás, valioso e decisivo, para quem se predispõe a aprender a pensar; 

Os níveis da dignidade humana e da salubridade cognitiva colapsaram-se, com a suspeita do irremediavelmente; uma verdadeira epidemia - a síndrome do “BI-POLAR”- sobrecarrega, hoje, o semblante da pobre gente destas Ilhas, qual endémica neo-epidemia, replicando e repescando mazelas outras, de proporções “equiparadas” às da década de 40; sim, porque a fome que grassa e oblitera a dignidade do homem nunca há-de ser a da pastosa matéria alimentar, e, sim, a da sua alquimia para o empoderamento da massa cinzenta na produção da salubridade mental - redescobrir Cabras que nos ensinem a cultivar bosques de dignidades para que não pereçamos neste “golpe de estanho no paraíso” (recordar é viver, mas, por vezes, é antecipação da morte – Ovídeo / Corsino).

Empoderar o pensamento e o raciocínio para que num futuro próximo possamos desenvolver a resiliência mnemónica necessária para enfrentar, com honestidade intelectual e total desaprisionamento do pensar, a nossa sustentabilidade (eliminando fanatismos e fantasias, enfermidades mentais, paranoias, esquizofrenias e obsessões compulsivas), para que todo o julgamento que doravante se faça seja na tomada de posições firmes no interesse de todos e de cada um; pois, já se viu que os poderes instituídos deixam, no ar, essa sensação de não estarem amiúde em harmonia com o bem comum e de cada indivíduo, este, por natureza, indivisível, portador, como se crê e é imprescindível, de dignidade associada indelevelmente à inalienável liberdade.

Mas toda essa disfunção é mínima se comparada com o colectivo sono-hipnótico (Nirvana), que nos retirou, até, a capacidade de sentir o nosso aprisionamento nesta masmorra existencial; pois, pelo sorriso estampado no nosso semblante alegre, pressupõe uma santíssima inconsciência, gratificante, que seria, apenas para um sonâmbulo, “recluso”, filho de duas datas disfuncionalmente polarizadas – a outra dimensão da escravatura?! É que para ser um prisioneiro basta trespassar a dignidade - travão à “acção abusiva ou arbitrária” dos (autoeleitos) tutores da consciência. Luto

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 920 de 17 de Julho de 2019. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Hermano Lopes da Silva,23 jul 2019 6:27

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 jul 2019 6:27

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.