Pelo Centenário do Médico e Escritor Teixeira de Sousa

PorBrito-Semedo,31 jul 2019 6:00

A 6 de Setembro de 2019 celebra-se o centenário de Henrique Teixeira de Sousa, médico conceituado e grande expoente das letras cabo-verdianas, de que foi escritor dos mais produtivos.

Para além de inúmeros trabalhos na área da medicina tropical e nutricionismo e de vários artigos de índole literária dispersos por revistas e jornais, Teixeira de Sousa é autor de um livro de contos, Contra Mar e Vento (1972), e sete romances, Ilhéu de Contenda (primeiro da trilogia sobre a sociedade da ilha do Fogo, 1978), Capitão de Mar e Terra (1984), Xaguate (segundo da trilogia, 1987), Djunga (1990), Na Ribeira de Deus (terceiro da trilogia, 1992), Entre duas Bandeiras (1994) e Oh Mar das Túrbidas Vagas (2005).

Obra Romanesca

A obra romanesca de Teixeira de Sousa é constituída por seis romances de análise sociológica, em que se ocupa essencialmente de problemas e questões sociais, concentrando-se mais em factores culturais e ambientais do que nas características psicológicas dos indivíduos, e um romance psicológico, centrada na vida emotiva das personagens que explora os diversos níveis da sua actividade mental, concentrando-se menos em aquilo que acontece do que nos porquês e para quês da acção salientando a caracterização “interior” das figuras e suas motivações, de que a acção “externa” é apenas um resultado.

Na categoria de romances de análise sociológica estão Ilhéu de Contenda, Xaguate e Na Ribeira de Deus (a trilogia do sobrado, loja e funco) e Capitão de Mar e Terra, Entre duas Bandeiras e Oh Mar das Túrbidas Vagas;e de romance psicológico, Djunga, em que procura fazer a interpretação da vida interior ou invisível desse protagonista.

Djunga

Pode-se considerar o romance Djunga como um marco na viragem da literatura cabo-verdiana, com mais psicologia e menos sociologia, onde Teixeira de Sousa se dispõe “a sepultar as receitas estafadas, destruindo o pudor ou preconceito de abordar as personagens no seu intimismo” (pág. 39).

Nesse romance, toda a narrativa gira à volta de Djunga, organizando-se em função de duas traves-mestras: O projecto do escritor-escrivão Hélder Rocha em querer “dar uma grande cambalhota nas letras”, escrevendo uma obra de ficção de fôlego e a sua angústia na busca do tema; e o romancear da vida do filósofo e filantropo Djunga, ou de como o “Amargo virou Doce”, numa obra literária que pretendia ser de viragem na literatura cabo-verdiana.

image

As mulheres, cujas perdas mudaram radicalmente o rumo da vida de Djunga – a mãe, a irmã Gracinda, a prima Aurora (estas por morte), e a namorada Zaida (que o trocou por um inglês) – vão “fazer” dele uma figura típica mindelense com uma personalidade rara. João Silvestre recorre-se permanentemente da sátira e da ironia como uma máscara para esconder a amargura que lhe vai na alma. Enfim, “é a tremenda onfandade da personagem, não apenas a inicial, mas também a orfandade da vida inteira, que ele soube minorar com a descoberta do Real Caminho da Santa Cruz, com o seu senso de humor e com o consolo de ser útil ao semelhante” (pág. 62).

Algumas das personagens secundárias do Djunga são também personagens do Capitão de Mar e Terra. É prática em Teixeira de Sousa transferir ou referir algumas personagens na obra seguinte. A título de exemplo, Dr. Herberto Ramos, Tói Delgado e Bínia Bendavid vêm de trás e passam para Entre duas Bandeiras onde, aliás, Djunga é também personagem. Situados os acontecimentos dos romances em épocas diferentes (entre os anos 30, 40 e 80), essas personagens “envelhecem” com a passagem do tempo. A mesma prática é seguida na trilogia do sobrado, loja e funcho.

Facto curioso e, por isso, gratificante, é que um leitor conhecedor do meio social e intelectual mindelense dos últimos trinta anos do período antes da independência consegue identificar a maior parte das personagens e os seus “afazeres”, apesar dos disfarces do autor.

Em Djunga são tratados outros temas periféricos que merecem destaque: a presença dos ingleses em São Vicente, a chegada dos militares expedicionários portugueses, algumas reflexões filosóficas, críticas à ordem vigente e a solidariedade humana, que serão objecto de um próximo Porto Memória.

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 921 de 24 de Julho de 2019. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Brito-Semedo,31 jul 2019 6:00

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 ago 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.