Relatos de uma rapariga nada púdica

PorFretson Rocha,2 jan 2017 14:44

6

Cabo Verde precisa combater preconceitos e paradigmas sociais em relação à homossexualidade no seio familiar. A posição é defendida por Lolo Arziki, cineasta cabo-verdiana, residente em Portugal, que fala, na primeira pessoa, dos problemas enfrentados como lésbica, em Cabo Verde.

Em entrevista à última edição do programa Panorama 3.0, depois de ter feito um vídeo intitulado “Relatos de uma Rapariga nada púdica”, Lolo, de 24 anos, conta a sua experiência em voz própria. A protagonista procura trazer para cima da mesa a questão da homossexualidade no contexto africano, mais concretamente em Cabo Verde.

Arziki define-se como uma jovem que, de regresso ao seu país de origem, vive num conflito entre aquilo que é, enquanto mulher, e aquilo que o contexto onde cresceu lhe permite ser (ou espera que seja). Lolo conta que saiu de Cabo Verde em “briga” com a sua orientação sexual, mas chegando a Portugal teve que enfrentar outras “brigas mais urgentes”.

“É em Cabo Verde [ao qual conta regressar em breve] que vou ter tempo para repensar as minhas escolhas, para enfrentar esses conflitos. A rapariga [do vídeo] é uma jovem que deseja libertar-se da repressão e viver sua identidade num todo. A rapariga é uma jovem que deseja a liberdade de poder amar outra rapariga”, explica.

 

 

Lolo afirma que foi reprimida, em Cabo Verde, por, desde criança, manifestar o seu interesse por pessoas do mesmo sexo. Entende que existem barreiras culturais que ainda não foram completamente ultrapassadas. Acredita que não adianta ter publicidade na televisão sobre sermos todos ‘livres e iguais’, quando não se leva a discussão para as mesas de debate. Por isso, diz, é preciso mais espaço para aprofundar o tema, nos espaços sociais, mas também na própria família. 

“É preciso debater, porque há pessoas a sofrer. Há pessoas que vivem a vida toda em repressão, no armário”, diz.

No país, defende, o papel sexual ainda é determinado por regras sociais, que definem como cada sexo se deve comportar. Em Cabo Verde, para reverter o papel, a jovem defende que é preciso apresentar outros conceitos, para que cada um se liberte e afirma a sua própria identidade, sem receios. 

 

 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha,2 jan 2017 14:44

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  3 jan 2017 12:04

6

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.