Tornar a Praia uma cidade inteligente até 2025

PorAndre Amaral,19 mai 2018 7:22

​Concurso de ideias para transformar a capital numa Smart City até 2025 tinha sido anunciado durante o evento CVNext, em Abril. Apresentação pública decorreu na segunda-feira e organizadores querem a participação de concorrentes de todo o país.

A Loide Engenharia, a Câmara Municipal da Praia e a AJEC (Associação de Jovens Empresários de Cabo Verde) criaram um concurso de ideias para tornarem a cidade mais acessível para quem nela mora.

A apresentação do concurso foi feita na segunda-feira, na Câmara Municipal e o objectivo é reunir ideias em áreas tão diversas como ambiente, energia, e-governance, transportes, segurança pública, educação, edifícios inteligentes ou saúde.

A necessidade de se criar uma cidade inteligente é algo que se tem vindo a tornar cada vez real. Estudos da ONU apontam para que actualmente mais de metade da população mundial vive nas cidades e a previsão é que esse número continue a aumentar. A ONU estima que em 2050 cerca de 70% da população mundial viva em centros urbanos.

Esta perspectiva, acrescenta a ONU, impõe enormes desafios, nomeadamente no domínio da mobilidade, mas também ao nível de outras necessidades indispensáveis ao bem-estar das pessoas, a saber: segurança, acesso a energia e água potável, habitação, saúde, educação, saneamento e tratamento de águas residuais e de resíduos sólidos, entre outros.

E é aqui que se insere este concurso de ideias promovido pelo grupo Loide Engenharia, pela AJEC e pela autarquia da capital.

O concurso, apesar de só agora ter sido apresentado, foi lançado em Abril, durante o evento CVNext, e como referiu Loide Monteiro, tem como objectivo levar os participantes a imaginar que cidade querem ter até 2025.

“Podemos aplicar inte-ligência em qualquer actividade dentro de uma cidade. Sabemos que há muitas pessoas com ideias brilhantes, mas falta uma plataforma para apresentar e depois aplicar as mesmas”, disse Loide Monteiro, que destacou que o grande objectivo deste concurso é que as ideias vencedoras sejam integradas no processo futuro de urbanização da capital.

“A ideia é tornar mais eficientes os serviços, as infra-estruturas e os equipamentos e, sobretudo, tornar a cidade um sítio aprazível de se viver”, comentou Rafael Fernandes que deu exemplos de aplicações que podem ser criadas no âmbito deste concurso e que abrangem áreas como os transportes públicos (táxis e autocarros), recolha de lixo ou farmácias de serviço.

As pré-inscrições para o concurso decorrem até 25 de Maio e não há limite de idades para quem quiser participar. A ideia é que numa primeira fase seja proporcionado aos inscritos a participação num workshop para trabalharem e aprimorar as ideias, para depois terem três meses para apresentarem os projectos finais que vão ser avaliados por um júri.

A equipa de júri vai avaliar a parte da viabilidade, o impacto na comunidade e a inovação, sendo que a oportunidade maior é o facto de os vencedores transformarem as ideias numa possível empresa que venha a ser rentável e exportar o serviço para outras partes”, precisou o representante da AJEC, Luís Frederico, apontando que no final do concurso, aberto a participação de pessoas de todas as ilhas irão premiar três homens e três mulheres.

Objectivos de Desenvolvimento sustentável são ‘prioridade’

Os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável estão no centro das atenções deste concurso. A organização quer, entre outras, ideias de aplicações informáticas que se centrem em áreas como a Igualdade de Género, Água Potável e Saneamento, Energia Acessível e Limpa, Trabalho Decente e Crescimento Económico, Indústria Inovação e Infraestrutura, Cidades e Comunidades Sustentáveis e Acção Contra a Mudança Global do Clima.

Um negócio de muitos milhões

O mercado das smart cities está em franco crescimento a nível mundial e as oportunidades de negócio que surgem para este mercado são muitas.

Em 2012 a criação de aplicações e de negócios dentro desta área geraram um volume de negócios que ultrapassou os 506 mil milhões de dólares e a expectativa é que este valor continue a crescer com vários especialistas a apontarem para valores a rondar 1,3 triliões de dólares de volume de negócios já em 2019.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 859 de 16 de Maio de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,19 mai 2018 7:22

Editado porAndre Amaral  em  21 mai 2018 11:25

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.