​Empregadas domésticas sentem-se "pouco valorizadas"

PorExpresso das Ilhas, Lusa,31 jul 2018 8:22

As empregadas domésticas representam seis por cento dos trabalhadores activos em Cabo Verde, mas esta é ainda uma profissão “pouco valorizada” e remunerada consoante as regiões, segundo a presidente da primeira associação destas profissionais, constituída no domingo, dia 29.

Maria Gonçalves, trabalhadora doméstica há mais de três décadas, explicou à agência Lusa que a Associação das Empregadas Domésticas de Cabo Verde (ASED-CV) nasceu com o objectivo de valorizar uma carreira que ocupa o quarto lugar no ranking das profissões das mulheres cabo-verdianas.

“É a primeira associação do género em Cabo Verde. A profissão está regulada pelo Código Laboral desde 2008, mas ainda não existia uma organização que falasse por estas profissionais”, adiantou.

Desafios não faltam a estas profissionais que representam seis por cento dos empregados activos em Cabo Verde.

As mulheres representam 94% dos trabalhadores domésticos neste país africano e são muitas as disparidades com que se deparam, nomeadamente de ilha para ilha.

Segundo Maria Gonçalves, o salário mínimo nacional em Cabo Verde, de 13 mil escudos, não é atribuído a todas as empregadas domésticas e existem ilhas onde estas não auferem mais que 5.000 escudos mensais. Em média, o ordenado de uma empregada doméstica ronda os 10 mil escudos.

“Há muitas coisas onde podemos melhorar. Um inquérito nacional revelou que a maioria das trabalhadoras domésticas trabalha mais horas do que o previsto, muitas não têm férias e até há quem desconheça o seu direito a férias ou a folgas”, disse.

Outro dado que preocupa Maria Gonçalves é a “percentagem reduzida” (10%) de domésticas que desconta para o regime da segurança social.

“É preciso valorizar a classe, pois esta não é valorizada como devia, apesar de ter uma importância muito grande no país. Queremos dar-lhe mais visibilidade”, afirmou.

A ASED-CV foi constituída no dia 29, na Cidade da Praia, tendo Maria Gonçalves sido eleita a primeira presidente. A organização conta com o apoio da Associação Cabo-verdiana de Luta contra a Violência Baseada no Género (ACLVBG) e tem um âmbito nacional.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,31 jul 2018 8:22

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  1 ago 2018 10:10

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.