VerdeFam comemora 24 anos de olhos postos no futuro

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,25 mar 2019 12:26

Posto Móvel VerdeFam
Posto Móvel VerdeFam(VerdeFam)

Desde 1995, data da criação da Associação Cabo-Verdiana para a Protecção da Família (VerdeFam), Cabo Verde teve progressos assinaláveis. Convicção do presidente da VerdeFam, a propósito do workshop sobre Direitos e Saúde Sexual e Reprodutiva, que assinala os 24 anos da organização.

Ao falar na Praia, Francisco Tavares diz que ao longo das últimas duas décadas e meia foi possível fazer com que os cabo-verdianos tenham um comportamento sexual responsável. Ao mesmo tempo, as mulheres ganharam o poder de exercer o direito à saúde reprodutiva.

“Hoje temos baixa prevalência do HIV- SIDA, porque não obstante o facto de sermos uma sociedade jovem, temos disponibilidade de serviço de saúde sexual e reprodutiva. Neste percurso, a VerdeFam participou em primeira linha, enquanto organização não governamental. Participou com informação, trabalhando na proximidade especialmente dos adolescentes, mas também prestando serviços e é por isso que hoje temos razões para celebrar juntamente com a sociedade cabo-verdiana", avança.

O responsável destaca alguns desafios que a VerdeFam ainda tem pela frente.

“Queremos perenizar a nossa estrutura, somos uma ONG que existe não apenas para hoje, amanhã, ou para os próximos 2, 3 anos. Queremos dar estabilidade à nossa estrutura, para perenizar a VerdeFam. Temos também o desafio de recolocar a problemática da família na agenda publica, porque em Cabo Verde há muitas intervenções que têm impacto na família, mas temos pouca presença pública, pouca politica pública em direcção à família", explica.

Durante o workshop, será igualmente debatido o tema “o cancro e a saúde sexual reprodutiva". A abertura foi presidida pelo ministro da Saúde, Arlindo do Rosário.

A Associação Cabo-verdiana para a Protecção da Família, VerdeFam, é uma ONG, sem fins lucrativas, criada em 25 de Março de 1995, na Praia, com o objectivo de defender e promover o direito à saúde, nomeadamente à Saúde Sexual e Reprodutiva.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,25 mar 2019 12:26

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  26 mar 2019 9:30

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.