Quase duas em cada dez famílias cabo-verdianas ainda não têm acesso a instalações sanitárias

PorSheilla Ribeiro,19 nov 2019 6:11

1

Comemora-se hoje, 19 de Novembro, o Dia Mundial da Casa de Banho. A data é comemorada desde 2001 em vários países mundo. Cabo Verde vem registando avanços nesta matéria, uma vez que há cada vez mais pessoas com acesso a instalações sanitárias. Mesmo assim, quase dois cada dez agregados familiares ainda não tem acesso a casas de banho.

Os dados indicados pelo Inquérito Multi-Objetivo Continuo realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), com referência ao ano de 2018, indicam ainda que 82,8% dos agregados familiares de Cabo Verde têm acesso a instalações sanitárias.

Os mesmos dados indicam ainda que 17,1% das famílias não tem acesso a uma sanita (11,4% no meio urbano e 29,7% no meio rural).

A nível dos municípios, Santa Cruz (41,6%), Ribeira Grande de Santiago (40,9%) e São Miguel (38,6%), todas na Ilha de Santiago, são os que apresentam maiores taxas de agregados familiares sem acesso às instalações sanitárias.

Por outro lado, apresentam menores taxas os municípios do Sal (2,8%), Brava (4%) e Maio (4,6%).

Os mesmos dados indicam que não há disparidades de género, e que as famílias chefiadas por homens têm igual número acesso a instalações sanitárias do que as representadas por mulheres (82,9%).

Os dados revelam também que 54,9% das sanitas ou retretes estão ligadas a fossas sépticas e 26,8% à rede pública de esgoto, havendo ainda 6,5% de famílias que declararam partilhar as instalações sanitárias com outra família.

82,9% das famílias declarou usar sistema de evacuação das águas residuais para evacuar águas sujas do banho, da limpeza, da lavagem de roupa. 54,1% preferem despejar essas águas em redor das casas, sendo esta prática mais acentuada no meio rural (78,4%), revelam ainda os dados.

Falta de condições

Em declarações ao Expresso das Ilhas, Ernesto Teixeira contou que na sua casa não há água canalizada, torneira e muito menos pia. Também, informou, que não há uma fossa nem ligação com a rede de esgoto.

“Eu e os meus filhos meninos vamos fazer as necessidades fisiológicas numa ladeira perto de casa. A minha mulher e a minha filha fazem num saco de plástico e depois deitam no lixo”, acrescentou.

Em relação ao banho, informou, todo o agregado o toma no quintal da casa. Um espaço que poderia servir para construir uma casa de banho, o que ainda não foi possível por falta de condições financeiras.

O Dia Mundial da Casa de Banho, também conhecido como o Dia Mundial da Sanita, foi oficialmente reconhecido pelas Nações Unidas, em 2013, e visa alertar a população para o facto de mais de 2,4 mil milhões de pessoas não terem acesso a uma casa de banho limpa, segura e privada.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,19 nov 2019 6:11

Editado porSara Almeida  em  5 dez 2019 23:21

1

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.