Milhares de plantações ajudam a dar nova vida à floresta de Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 mai 2022 10:59

Objectivo é aumentar a adaptação e a resiliência do sector floresta
Objectivo é aumentar a adaptação e a resiliência do sector floresta

Quase 250 mil plantas e árvores foram semeadas em mil hectares de três ilhas cabo-verdianas desde 2018 no âmbito de um plano de reflorestação financiado pela União Europeia para promover uma “nova visão da floresta”.

O Projecto de Adaptação e Resiliência do Sector Florestal em Cabo Verde (Reflor-CV), orçado em cinco milhões de euros e que envolveu centenas de pessoas e pequenos agricultores nas ilhas de Santiago, Fogo e Boa Vista encerrou a actividade em 30 de Abril e o balanço foi apresentado esta sexta pelos promotores, na cidade da Praia.

“Este não é apenas um projecto, é uma promessa de futuro. O Reflor-CV corresponde a uma reinicialização do sector florestal no século 21, enquadrada e alavancada pelo desenvolvimento limpo, pela gestão sustentável dos recursos naturais renováveis e pela acção climática de Cabo Verde e do mundo”, afirmou Ana Touza, representante em Cabo Verde da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), na sessão de encerramento do projecto.

O Reflor-CV é um projecto do Governo de Cabo Verde, executado através do Ministério da Agricultura e Ambiente, com financiamento da União Europeia em quase 4,9 milhões de euros e cofinanciamento da FAO, que também o implementou no terreno, em 255.482 euros, visando o aumento da adaptação e resiliência do sector florestal no país.

“O Reflor-CV serve de ponto de partida a uma governança transversal com soluções baseadas na natureza”, sublinhou a representante da FAO, acrescentando que as medidas implementadas pelo projecto - que permitiu ainda aprovar a revisão da lei florestal de Cabo Verde e desenvolver os planos de gestão florestal e de prevenção de incêndios - “contribuíram para uma nova visão da floresta” no arquipélago, afectado há mais de três anos por uma prolongada seca.

“Resiliente, sustentável, gerida e monitorizada, próspera e valorizada, partilhada e inclusiva, com comunidades conscientes, com governança eficiente e eficaz”, afirmou Ana Touza.

De acordo com os dados hoje apresentados, no encerramento formal do projecto, o Reflor-CV permitiu “aumentar as áreas arborizadas e vegetadas” nas três ilhas, com mais de 32.000 plantas fruteiras, 105.000 endémicas, 108.000 florestais e mais de 33.000 forrageiras com uma taxa média de sobrevivência, devido à seca, de cerca de 60%.

Além das três ilhas como alvo principal do projecto, num total de oito foram ainda instaladas 14 estações meteorológicas para recolha de dados em tempo de real, com a representante da FAO a defender a necessidade de alargar, no futuro, o Reflor-CV a todo o arquipélago: “Para que Cabo Verde seja ainda mais verde”.

A embaixadora da União Europeia na Praia, Carla Grijó, recordou que a floresta em Cabo Verde tem sido afectada pela condição humana nos últimos anos, até ao cenário actual, em que 85% do território do arquipélago são áreas secas e 10% terrenos aráveis.

“Sabemos que, tal como sucede com os restantes pequenos países insulares em desenvolvimento, a contribuição de Cabo Verde para o aquecimento global é praticamente insignificante. No entanto, o país é particularmente às alterações climáticas e aos seus impactos, incluindo o agudizar de fenómenos como as secas”, reconheceu Carla Grijó, elogiando, neste projecto, a “perspectiva de género” do trabalho do projecto no terreno, com as comunidades e com as mulheres.

Segundo os promotores do projecto, o Reflor-CV permitiu ainda aumentar a infiltração para recuperação de lençóis freáticos em cerca de 1.050 hectares, fomentar negócios locais baseados em produtos florestais lenhosos e não lenhosos “com participação maioritária das mulheres” e o empoderamento de 24 comunidades rurais com actividades geradoras de rendimento sustentável, envolvendo “cerca de 300 actores, entre técnicos institucionais, elementos de Organizações Não-Governamentais, empresas, e cidadãos individuais, no processo participativo de construção dos instrumentos jurídicos e de planeamento e gestão dos sistemas florestais de Cabo Verde”.

Ao longo dos quatros ano do projecto “foram capacitados um total de 900 homens e 600 mulheres das comunidades beneficiárias”, através de actividades de produção e fixação de plantas e obras de conservação de solo e água. Os promotores sublinham ainda que, enquadrado na estratégia nacional de redução de risco de desastres, o Reflor-CV contribuiu para reduzir os riscos de erosão e enxurradas através de obras de conservação dos solos e plantação em zonas muito inclinadas, em cerca de 1.000 hectares.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 mai 2022 10:59

Editado porJorge Montezinho  em  25 mai 2022 13:19

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.