Está a chegar a temporada dos furacões de Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas,31 jul 2022 10:16

Menos de um em cada dez furacões tem origem em Cabo Verde, mas costumam ser os mais destrutivos
Menos de um em cada dez furacões tem origem em Cabo Verde, mas costumam ser os mais destrutivos

Com esta segunda-feira a marcar o primeiro dia de Agosto, o Atlântico vira a página para a temporada de furacões em horário nobre

É durante os meses de Agosto, Setembro e Outubro que o Atlântico ganha vida, muitas vezes de forma desconcertadamente rápida. Da noite para o dia, os modelos de previsão são activados, cada perturbação requer mais cuidado e os meteorologistas pressionam o botão de actualização com mais frequência do que gostariam de admitir.

“Três meses podem parecer três anos durante as estações de pico e, para os afectados, a fadiga do furacão instala-se rapidamente”, escreve o especialista em tempestades Michael Lowry, na Local10, site especializado em meteorologia.

Agosto marca o início da temporada de Cabo Verde. Tempestades que se formam perto do arquipélago e que se tornam furacões antes de chegar às Caraíbas. Os furacões de Cabo Verde não se formam com frequência, mas os que ganham vida em Agosto e Setembro, e as longas rotas através do Atlântico, permitem que se transformem em alguns dos furacões mais poderosos e destrutivos.

O Grande Lago Okeechobee de 1928 (ou furacão São Felipe II), que matou cerca de 3.000 pessoas, foi um furacão de Cabo Verde. O mesmo aconteceu com o Grande Furacão da Nova Inglaterra de 1938 (também conhecido como Long Island Express), o Furacão Donna em 1960, o Furacão Hugo em 1989 e o Furacão Irma em 2017. A lista não é longa, mas os furacões são famosos.

A origem dos furacões de Cabo Verde remonta ao início do século 20, quando os furacões se desenvolveram no extremo leste do Atlântico fora dos limites dos primeiros mapas meteorológicos. Os meteorologistas começaram a chamar a essas tempestades "furacões de Cabo Verde".

Um dos primeiros grandes livros sobre furacões no Atlântico, escrito em 1960 pelos cientistas pioneiros em furacões Gordon Dunn e Banner Miller, descreve essas tempestades únicas: “Durante Agosto e início de Setembro, algumas tempestades atingem a intensidade de furacões dentro de 10° a 15° de longitude de Cabo Verde e se permanecerem num curso bastante direito para o oeste e se moverem constantemente a cerca de 15 mph, elas aproximar-se-ão da costa dos EUA como furacões muito grandes e severos. Os furacões de Miami e West Palm Beach de 1926 e 1928 foram bons exemplos do tipo cabo-verdiano”.

Menos de 70 furacões dos 948 registados no Atlântico (que remontam a 1851) correspondem a esses critérios, ou menos de um em cada dez furacões. Os furacões de Cabo Verde que atingiram os Estados Unidos, também chegaram a Porto Rico, às Ilhas Virgens Americanas e à costa atlântica continental e, ocasionalmente, até ao Golfo do México.

“Os furacões têm os seus próprios horários, mas quando aparecem, geralmente é em rápida sucessão. Se a história nos dá alguma indicação, então nas próximas três a quatro semanas veremos o ritmo acelerar à medida que a temporada de Cabo Verde cai sobre o Atlântico”, resume Michael Lowry.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,31 jul 2022 10:16

Editado porJorge Montezinho  em  1 ago 2022 11:24

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.