“Decisão sobre derrogação não depende do governo” – Paulo Veiga

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,18 jan 2021 15:14

Paulo Veiga
Paulo Veiga (Rádio Morabeza)

O ministro da Economia Marítima esclarece que a decisão sobre a derrogação de pescas não depende do governo de Cabo Verde. Paulo Veiga responde assim às críticas sobre a alegada demora do executivo na formalização do pedido de renovação do Acordo de Derrogação das Normas de Origens entre Cabo Verde e a União Europeia.

O governante recorda que a derrogação é uma excepção à lei e afirma que o pedido de renovação foi feito em Março de 2020.

“Isto não é algo que depende de nós. Temos feito, junto da Embaixada da União Europeia (UE) em Cabo Verde, e também através da nossa embaixada em Bruxelas, todos os esforços junto da UE. Compreendemos a demora que os nossos parceiros têm tido, todos nós sabemos que estamos no meio de uma pandemia e o quão a União europeia tem sofrido com essa pandemia, e as prioridades, às vezes, não permitem as respostas céleres que nos interessam”, explica.

Paulo Veiga relembra que Cabo Verde pede a derrogação porque não tem capacidade para pescar melva e cavala para abastecer a indústria nacional e para a exportação.

Situação que, segundo diz, deve-se a más políticas adoptadas pelo anterior governo, ao longo dos anos.

“Isto vem de políticas erradas tomadas durante os 15 anos de governação do PAICV que nos têm nesta situação. Estamos a pedir derrogação desde 2008, deveríamos já estar com condições e com frota suficiente, armadores suficientemente estabilizados para pescar e fornecer a melva e a cavala a empresa como a Frescomar, mas também temos a Sucla, que se queixa também de falta de produtos para poder exportar”, assegura.

A tutela da pasta da Economia Marítima assegura que o executivo está a trabalhar para criar as condições para que o país tenha capacidade para abastecer o mercado. Paulo Veiga alerta que este será dos últimos pedidos de derrogação a ser feito por Cabo Verde

"Os nossos parceiros já nos avisaram que precisamos criar as competências nacionais, a capacidade nacional de pescar. Vão nos permitir esta nova derrogação, mas será das últimas, porque o país tem que criar as condições para esse efeito”, afirma.

“E criar essas condições é criar emprego, armadores mais resilientes e mais fortes e tirar proveito desses investimentos estrangeiros que temos no país e não continuar a dar derrogação para que eles possam importar pescado da China para ser tratado em Cabo Verde e exportado para a União Europeia, quando o nosso acordo diz, claramente, que pescado de Cabo Verde é que tem isenção ao entrar na UE”, acrescenta.

A empresa Frescomar, sediada em São Vicente, anunciou a possibilidade de avançar para o despedimento de centenas de trabalhadores, caso o Acordo de Derrogação das Normas de Origens entre Cabo Verde e a União Europeia não seja renovado.
Paulo Veiga afirma que o governo já pediu à conserveira a suspensão do processo até que se encontre um mecanismo para resolver o problema e enquanto se espera a decisão relativa à derrogação.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,18 jan 2021 15:14

Editado porAndre Amaral  em  18 out 2021 23:21

pub.

pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.