Santo Antão e Santa Catarina em Santiago foram os palcos da campanha eleitoral deste sábado

PorInforpress, Expresso das Ilhas,3 out 2021 12:08

Os candidatos ao Palácio do Platô estiveram este sábado na ilha de Santo Antão e no interior de Santiago, mais precisamente em Santa Catarina, em contactos com o eleitorado para levarem as suas mensagens, neste que foi o terceiro dia de campanha para as eleições presidenciais de 17 de Outubro.

Depois de visitar a zona do Figueiral da Ribeira Grande durante toda a manhã de sábado, 02, Fernando Delgado prosseguiu, à tarde, os contactos com o eleitorado das localidades de Coculi, Chã de Igreja e Garça, zonas onde se dedica à agricultura, com dois temas na ordem do dia, o processo do embargo e o desemprego jovem.

Sobre o embargo, Fernando Delgado disse que mesmo sem chuva, anualmente “há toneladas de produtos na ilha de Santo Antão que se estragam” por não haver possibilidade de escoamento.

“Há a questão dos mil-pés, sim senhor, mas o embargo é coisa criada, é falta de vontade, e se for eleito vou, através da magistratura de influência, junto à tutela da Agricultura, sempre em diálogo, mostrar que Santo Antão tem de ter a sua potencialidade e que precisa de estímulos”, concretizou o candidato que tem como lema nesta campanha eleitoral “Um Presidente presente”.

Em Paul, segundo a Inforpress, Gilson Alves disse acreditar que as pessoas estão a ser tratadas como “vacas leiteiras” pelas instituições do Estado ligadas, por exemplo, à electricidade e transportes, algo que “não deveria ser permitido”.

O candidato defendeu que as empresas ligadas à electricidade e água, como a Electra, mas também outras ligadas à saúde, educação, transporte e energia deveriam ser “controladas a cem por cento” pelo Estado, daí, propor a nacionalização de todas.

“CV interilhas, nacionaliza-se, Electra, nacionaliza-se e se não tivermos dinheiro para as indemnizar, não vamos indemnizar. Vamos fazer como Fidel fez quando expulsou os americanos de Cuba, aqueles parasitas, que abriam casinos e colocavam o povo na miséria”, frisou.

Ainda na ilha de Santo Antão, em Ribeira Grande, Joaquim Monteiro defendeu que Cabo Verde só vai ter uma “verdadeira soberania” quando tiver um Presidente da República “desaclopado” das estruturas partidárias.

“Num país independente a sua soberania depende de um chefe da Nação desaclopado dos partidos políticos” sublinhou o auto-intitulado “candidato do povo”, questionando, por isso, quais são as janelas de entrada de todos os males e corrupção que existem em Cabo Verde.

“Temos um parlamento mitigado que não serve à realidade cabo-verdiana e um governo emergido de um partido, que na sua governação gere os elementos do seu partido”, apontou Joaquim Monteiro, acusando que os elementos das outras forças políticas são “reprimidos”.

Na ilha de Santiago

Já o candidato Casimiro de Pina apelou aos adversários a um debate a dois, alegando que a democracia não foi fundada na violência, manipulação ou esbanjamento de dinheiro, mas sim na persuasão racional de ideias.

O apelo deste candidato foi feito com o objectivo de haver mais debates de ideias entre os candidatos na rádio e televisão públicas, pois, segundo disse, a discussão de ideias, o questionamento de posições e a proposição de soluções continuam sendo o modo mais “civilizado e transparente” para que a comunidade saia ganhando.

“Tem de haver debate e aproveito aqui para desafiar publicamente, sobretudo, os dois candidatos mais próximos às facções partidárias a fazermos debates a dois, pois, os cabo-verdianos têm que ouvir em contraste racional, discursos e outros, a proposta de cada um”, disse, afirmando ser esta a essência da democracia.

Em Assomada, Carlos Veiga disse que a sua eleição ao cargo de Presidente da República “é fundamental para Cabo Verde” e que 17 de Outubro “representa a consolidação da democracia”.

No comício realizado no polivalente do centro da cidade, no qual o candidato “Unir para Avançar” contou com o apoio da presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, que apelou aos munícipes a votarem massivamente nesta candidatura para “manter a segurança e a tranquilidade do País”, Carlos Veiga revelou ter ligações familiares enraizadas nesta cidade.

Sempre apoiado por uma multidão que abarrotou as bancadas desta infra-estrutura desportiva, recordou que enquanto primeiro-ministro foi importante a sua actuação para a instituição do poder local eleito democraticamente, pelo que considerou “Assomada como um triunfo e uma região na qual almeja contar com a maior vitória nas próximas eleições presidenciais”.

Também em Santa Catarina, José Maria Neves alertou para os perigos de compra de votos e pediu aos cabo-verdianos que votem em consciência, pois o voto não tem preço.

José Maria Neves disse que há candidatos que nem fazem campanha, e que nas vésperas das eleições andam a distribuir dinheiro para corromper a mente e a vontade dos cabo-verdianos.

“Sabemos que comprar votos é crime, mas as autoridades não estão com possibilidade de os acompanhar e eles é que estão a ganhar com o crime que estão a praticar. Então no dia de eleições se lhes derem dinheiro podem até tomar, mas não consumam o crime, não votem onde eles mandarem. Tomem sim, mas votem com consciência”, pediu.

Já o candidato Hélio Sanches, levou a mensagem de “esperança”, convicto no voto de confiança por parte dos santa-catarinenses.

“Trago uma mensagem de esperança para Santa Catarina e para Cabo Verde. Vou pedir-lhes para confiarem na candidatura de Hélio Sanches que é moderna, de novos tempos e novos líderes e, seguramente, quando for eleito Presidente da República vou trazer esperança e trabalhar para que todos os cabo-verdianos no país e na emigração tenham uma vida digna”, apontou.

Avançou que a apresentação pública decorreu no liceu Amílcar Cabral, escola onde estudou, e contou com a participação de um número reduzido de apoiantes, uma vez que o país vive ainda a pandemia da covid-19 e caberá aos candidatos cumprir com todas as regras sanitárias.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Inforpress, Expresso das Ilhas,3 out 2021 12:08

Editado porSheilla Ribeiro  em  27 nov 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.