Vacinação contra o HPV alargada aos meninos

PorSara Almeida,21 out 2023 8:37

Acto de alargamento da vacinação aos meninos
Acto de alargamento da vacinação aos meninos

Cabo Verde alargou a vacinação contra o vírus do Papiloma humano (HPV, da sigla em inglês) aos rapazes de 10 a 14. O acto simbólico deste alargamento aconteceu ontem, e inicia-se agora o processo de vacinação de 26.500 meninos, nas escolas ou nos centros de saúde. 50 mil doses de vacinas doadas pelo Brasil permitiram este passo, que abre uma nova fase na vacinação contra o HPV em Cabo Verde.

Durante longos anos, a introdução da vacina HPV em Cabo Verde foi apenas um desejo do país. Os elevados custos da vacina, a não elegibilidade para apoio internacional da Aliança GAVI e o imperativo da sustentabilidade do programa vacinal, impediam a concretização do desígnio.

O país não ficou parado e quando em 2020 finalmente já com orçamento alocado (200 mil contos) para inicio da vacinação um contratempo: a pandemia. O processo atrasou mais uma pouco.

Só a 8 de Fevereiro de 2021 se passou efectivamente da vontade à prática, com o acto de lançamento da introdução desta vacina, que começou a ser aplicada em massa. O foco, foram então, as meninas. Isto porque quase todos os cancros do útero – o carcinoma com maior incidência nas mulher cabo-verdianas - são provocados pela infecção por HPV, e esta vacina previne 70% destes cancros (bem como outros cancros).

Meninas

Num primeiro momento, a vacinação foi direccionada a meninas de 10 anos, num total estimado de 5000 crianças por ano. Porém, para poder abranger um maior número de meninas, a faixa etária foi alargada, excepcionalmente, até aos 14 anos, no final de 2021.

Em Junho de 2022, uma nova directiva da Organização Mundial da Saúde apontava não eram necessárias as duas doses previstas da vacinas, mas apenas uma, para uma inoculação eficaz.

Assim, o programa de vacinação passou a contemplar apenas uma dose e a população-alvo foi alargada, agora em definitivo, para meninas dos 10 aos 14 anos.

A vacina teve uma boa adesão e até ao momento, de acordo com os dados oficiais, a cobertura vacinal está acima dos 95%.

Meninos

Quando a vacina HPV, uma única vacina custava metade das outras 11 vacinas do programa alargado de vacinação. Este entrave de ordem financeira obrigou a que a população alvo abrangida pelo programa fosse restrita ao grupo onde maiores impactos positivos se poderiam sentir: sexo feminino, antes do início da vida sexual.

Assim, embora apenas as meninas tenham sido contempladas com a vacina de forma gratuita, as autoridades de saúde sempre aconselharam a que, quem tivesse condições financeiras, ministrasse também nos rapazes. É que embora elas sejam as mais afectadas pelo HPV, a vacina, protege os meninos de vários tipos de cancro: do ânus, do pénis, da garganta, da cabeça e pescoço. As vacinas, no privado, eram comparticipadas pelo INPS.

Agora, o país deu um salto e vai passar a contemplar também a vacinação dos meninos, de 10 a 14 anos, no seu programa alargado de vacinação. Esse passo, como explica Ivanilda Santos, coordenadora do programa alargado de vacinação, foi possível graças à doação de 50 mil doses de vacina contra o HPV por parte do governo brasileiro.

Neste primeiro ano do alargamento, nas escolas (aonde as equipas se irão pontualmente deslocar) e centros de saúde (de forma permanente), prevê-se vacinar cerca de 26500 meninos, sendo que nos anos seguintes a previsão, tal como agora acontece com as meninas, é de cerca de 5000 rapazes.

“Para o ano não haverá necessidade de ter essa quantidade, serão somente os rapazes de 9 que vão fazer 10”, contabiliza.

Ou seja, depois desta vacinação massiva, a vacinação passará a ser de rotina e está garantida a continuidade para ambos os sexos.

Mulheres

O “salto” dado agora, não terminará no alargamento aos meninos e outras populações alvo serão contempladas.

Está previsto, já no mês de Novembro, o lançamento da vacinação para mulheres dos 18 aos 24 anos.

“Graças a esta doação do [Brasil), vamos atingir os objectivos até 2030 que são: introduzir a vacinação HPV nas meninas, alargar aos rapazes, alargar a vacinação para uma idade maior do que 18 anos, e após essa vacinação até 24 anos, vamos analisar a possibilidade de mais doações para chegar até 45 anos que é o almejado”, resume Ivanilda dos Santos.

É que embora, por uma questão de custo-benefício da vacina, a prioridade fossem pessoas que ainda não iniciaram a vida sexual (ou seja, que ainda não tiveram contacto com o HPV), as outras também devem ser inoculadas, incluindo as que já tiveram cancro causado pela infecção.

As vacinas doadas pelo Brasil são nonavalentes (HPV9) – protegem contra nove serotipos ao contrário das primeiras aplicadas em Cabo Verde, que eram bivalentes - e cada frasco contem uma dose individual.

Acto simbólico

O acto simbólico de alargamento da vacinação a meninos ocorreu ontem, na cidade da Praia, e foi presidido pelo Primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

O chefe de governo agradeceu ao Brasil pela sua doação, e reiterou o compromisso do governo em na vacinação contra o HPV e seu alargamento, até ao final do ano, para as mulheres até 24 anos.

“A expansão da vacinação é um compromisso de protecção desde jovem, garantindo que, quando adultos, estarão protegidos. A prevenção é importante no combate a doenças, e continuaremos a trabalhar pela saúde, um bem precioso, prevenindo e protegendo antecipadamente”, disse, apelando aos pais e cidadãos que adiram à vacinação.

“Não tenham medo, esta vacina é segura”, disse. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1142 de 18 de Outubro de 2023.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,21 out 2023 8:37

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 abr 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.