Intelectuais angolanos contra a escolha de Fernando Pessoa para patrono de projecto da CPLP

PorExpresso das Ilhas,11 fev 2019 13:04

5

A escolha do poeta Fernando Pessoa como patrono de um programa de intercâmbio académico a nível da CPLP está a ser duramente criticada por algumas personalidade angolanas que apontam o racismo e a defesa da escravatura manifestada pelo autor português como motivo da rejeição.

O nome de Fernando Pessoa foi escolhido pela Comunidade os Países de Língua Portuguesa (CPLP), actualmente presidida por Cabo Verde, para patrono de um programa similar ao Erasmus, que visa a educação, formação e mobilidade de jovens do espaço de língua portuguesa, oferecendo-lhes oportunidades de estudo, aquisição de experiência e voluntariado por um período curto num dos países da CPLP à sua escolha.

Este fim de semana começaram a surgir reacções de desagrado, vinda por agora de algumas personalidades angolanas. É o caso de Luzia Moniz, presidente da PADEMA – Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana que num artigo de opinião publicado no Jornal de Angola expôs as ideias racistas e a apologia à escravatura em textos de Fernando Pessoa.

“Aos 28 anos escreveu: “A escravatura é lógica e legítima; um zulu (negro da África do Sul) ou um landim (moçambicano) não representa coisa alguma de útil neste mundo. Civilizá-lo, quer religiosamente, quer de outra forma qualquer, é querer-lhe dar aquilo que ele não pode ter. O legítimo é obrigá-lo, visto que não é gente, a servir aos fins da civilização. Escravizá-lo é que é lógico. O degenerado conceito igualitário, com que o cristianismo envenenou os nossos conceitos sociais, prejudicou, porém, esta lógica atitude”. Em 1917, aos 29 anos continua: “A escravatura é a lei da vida, e não há outra lei, porque esta tem que cumprir-se, sem revolta possível. Uns nascem escravos, e a outros a escravidão é dada.”, escreveu a intelectual no artigo intitulado “CPLP escolhe escravocrata racista para projecto juvenil”.

E com a obra “Fernando Pessoa: Uma (quase) autobiografia” do investigador brasileiro José Carlos Cavalcanti Filho como referência Luzia Moniz prossegue com as citações de Pessoa para fundamentar que, aquele que é tido como um dos maiores poetas da língua portuguesa, era defensor de uma ideologia racista e pró-escravatura: “Ninguém ainda provou que a abolição da escravatura fosse um bem social”. E ainda: “Quem nos diz que a escravatura não seja uma lei natural da vida das sociedades sãs?””.

Segundo a Angop, para a intelectual angolana a indicação de Pessoa por parte de Portugal faz parte de uma tentativa de “branquear” a imagem do poeta, tentativa essa que não a surpreende ao contrário da pronta aceitação por parte dos outros países membros, particularmente os países africanos “vítimas da escravatura”.

Luzia Moniz terá manifestado isto mesmo na Assembleia da República de Portugal, durante a cerimónia de abertura do ano da CPLP para a Juventude, na quarta-feira passada, perante deputados portugueses, governantes dos Estados da CPLP, jovens, activistas, intelectuais e académicos afro-descendentes, brasileiros, portugueses e africanos.

“Não sei se Pessoa é ou não bom poeta. Isso pouco interessa para o caso. A minha inquietação é o uso da CPLP para branquear o pensamento de um acérrimo defensor do mais hediondo crime contra a Humanidade: a escravatura”.

Também o médico angolano Miguel Kiassekoka considerou a escolha do nome de Fernando Pessoa como "uma pretensão de Portugal continuar como guia do novo império, sob a capa de uma comunidade que conservou o seu centro de decisão em Lisboa". E acrescenta que o Secretariado Executivo da CPLP deveria consultar os países membros, antes de impor unilateralmente um "nome português indigno da história comum africana".

Outro a manifestar-se foi o sociólogo angolano Manuel Luís Dias dos Santos para quem a atribuição do nome de Fernando Pessoa para o projecto/programa de mobilidade e intercâmbio académico na CPLP "faz parte da estratégia de Portugal, como Estado membro desta comunidade, de procurar liderar e nomear os processos comuns da mesma".

Ainda segundo o portal Angop, o investigador angolano Eugénio Costa Almeida tem posição mais moderada sobre o assunto, já que consideraria “aceitável” a atribuição, pela CPLP, do nome de Fernando Pessoa, “se tivesse sido por vontade de todos os membros da comunidade”.

“Reconheço que umas das razões que leva algumas pessoas a manifestar a sua indignação se prendem pelo facto de Fernando Pessoa ter escrito em texto algo que pode ser indicador de alguma nódoa rácica contra a população negra africana”, disse Eugénio Costa Almeida àquela agência noticiosa angolana

Nomes como Eça de Queiroz – que era abertamente contra a escravatura –, Jorge Amado, Corsino Fortes, Alda Lara, Alda Espírito Santo, José Saramago e do académico angolano Mário Pinto de Andrade foram apontados por estes intelectuais como alternativa.

“Espera-se dos países africanos membros que revertam essa situação, opondo-se ao nome de Fernando Pessoa, mesmo que com esse digno gesto se crie um novo irritante. Os irmãos de Cabo verde, que neste momento presidem a CPLP, têm uma responsabilidade acrescida nesta questão. Se Portugal olha para a CPLP como um instrumento de dominação dos outros, cabe-nos a nós, africanos, impedir que isso aconteça”, exorta Luzia Moniz.

De intelectuais cabo-verdianos no país ou na diáspora ainda não se conhecem reacções. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,11 fev 2019 13:04

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  18 abr 2019 23:22

5

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.