Dr. José Baptista de Sousa – O Homem, o Médico e o Militar

PorExpresso das Ilhas,2 ago 2020 10:16

“No Portal da Memória” é um projecto investigativo e editorial de Adriano Miranda Lima, Coronel reformado do Exército Português, natural de São Vicente, a viver em Tomar, composto por dois livros: Forças Expedicionárias a Cabo Verde na II Guerra Mundial, apresentado no Expresso das Ilhas em Março passado, e Dr. José Baptista de Sousa – O Homem, o Médico e o Militar É o resgatar da memória de um período importantre da história de São Vicente e de Cabo Verde.

Poucas homenagens prestadas na nossa terra exalam tão justos propósitos como aquela que consagra a memória do Dr. Baptista de Sousa no nome dado ao actual hospital de S. Vicente – Hospital Baptista de Sousa. Nome de um médico, nome de um benfeitor cuja recordação se vai delindo, no entanto, na memória dos mindelenses, à medida que o tempo passa e as gerações se vão substituindo. Mas se o nome do Hospital é em si um meio poderoso para a perpetuação da sua memória, poucos são os que ouviram alguma vez falar do médico, a não ser entre as gerações mais velhas, que vão desaparecendo. Eis a razão por que é importante dar a conhecer quem foi o Dr. José Baptista de Sousa, oficial médico do Exército Português, e, sobretudo, o que ele fez na nossa terra.

José Baptista de Sousa nasceu em 2 de Março de 1904 na freguesia de Camões, em Lisboa, filho de José Augusto de Sousa e de Victoria Alves Baptista de Sousa. De 1922 a 1927, fez o curso de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa. Depois de frequentar o respectivo curso militar, entrou para o Quadro Permanente de Oficiais Médicos do Exército, tendo sido promovido a alferes em 1929. Foi em seguida colocado em unidades do Exército e, depois, na Guarda Nacional Republicana, onde serviu de 1936 a 1942. Entretanto, concorrera ao internato de Cirurgia dos Hospitais Civis de Lisboa e fez o concurso para cirurgião dos mesmos hospitais. Foi igualmente assistente na Faculdade de Medicina de Lisboa, ao mesmo tempo que frequentava o internato de cirurgia nos Hospitais Civis de Lisboa, tudo isso em acumulação com as suas funções militares, o que demonstra uma firme disposição de alargar e diversificar as experiências e desafios da sua actividade médico-científica.

É quando prestava serviço na Guarda Nacional Republicana que, em 17 de Janeiro de 1942, ainda no posto de tenente, é nomeado para integrar as Forças Expedicionárias a Cabo Verde. Deste modo, embarca em Lisboa a 16 de Fevereiro de 1942, no vapor Guiné, com destino a S. Vicente de Cabo Verde, onde desembarca a 22 do mesmo mês. É já em S. Vicente que é promovido ao posto de capitão médico, indo exercer as funções de director do Hospital Militar Principal de Cabo Verde.

O Capitão-Médico Dr. Baptista de Sousa, médico viveu em S. Vicente (1942-1944) uma das fases mais marcantes da sua vida pessoal e profissional, durante a qual deve ter encontrado o verdadeiro significado da carreira que abraçou e a sublimação dos altos valores humanos que eram parte integrante do seu ser. Ele é o médico-cirurgião dos militares mas é-o também dos civis, movido pelo seu impulso natural de pôr a sua ciência médica indiscriminadamente ao serviço de quem dela precisava. Seria por demais exaustivo enumerar as vidas que o Dr. Baptista de Sousa salvou e as malformações físicas (casos de pé boto) de civis que reabilitou com a sua técnica cirúrgica.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 974 de 29 de Julho de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,2 ago 2020 10:16

Editado porDulcina Mendes  em  9 ago 2020 18:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.