Economia de Cabo Verde cai neste e no próximo ano - BAD

PorExpresso das Ilhas, Lusa,9 jul 2020 7:33

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) prevê que o arquipélago de Cabo Verde enfrente uma recessão que pode chegar a 7% este ano e prolongar-se até 2021 se a pandemia durar até Dezembro.

De acordo com a atualização das Perspetivas Económicas Regionais, o relatório anual do BAD sobre as economias africanas, o crescimento económico de Cabo Verde pode contrair-se até 7% este ano e manter uma queda de 0,6% em 2021 no pior cenário, ou seja, se a pandemia de COVID-19 durar até final deste ano.

"A forte recuperação económica de Cabo Verde, depois da crise do euro em 2015, teve uma travagem súbita devido à pandemia; o PIB em 2020 deve contrair-se 4% se a pandemia abrandar em Julho (cenário base) e até 7% se continuar até Dezembro (cenário pior)", lê-se no Suplemento divulgado pelo banco.

"O crescimento económico pode recuperar para 1,3%" no cenário base, podendo o país conhecer uma ligeira recessão de 0,6% em 2021 se a pandemia durar até dezembro, acrescentam os analistas, que antecipam uma quebra de mais de 60% nas receitas turísticas, que representam quase 20% do PIB, para além de uma descida das pescas e uma atividade estagnada "na manufatura, transportes e logística, reflexo das perturbações nas cadeias de abastecimento globais".

Esta contração do PIB, alertam, "pode causar a perda de 17.500 empregos", e os investimentos diretos estrangeiros, principalmente do Reino Unido, Portugal, Espanha e Itália "devem ter uma contração de 56%, para 53 milhões de dólares em 2020, atrasando investimentos em setores essenciais, incluindo o turismo, construção, transporte, informação, comunicações e tecnologias".

Na parte do relatório que aborda a economia de Cabo Verde, o BAD antevê uma ligeira subida da inflação, para até 1,8%, e um agravamento do rácio da dívida pública sobre o PIB, de 124,2% no final de 2019, para 137,4%, "refletindo mais endividamento e o declínio do PIB nominal".

No relatório inicial, divulgado no final de Janeiro, o BAD previa um crescimento de 5% para este ano e uma inflação de 2% e estimava que o desequilíbrio orçamental ficasse nos 2,2%, um défice que pode chegar agora aos 9,2% no cenário mais pessimista.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,9 jul 2020 7:33

Editado porAndre Amaral  em  23 abr 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.