Aumentos sucessivos nos combustíveis fazem crescer dificuldades dos cabo-verdianos

PorAndre Amaral,18 jun 2022 7:48

(Advantus Media Inc. and QuoteInspector.com/ Crédito: QuoteInspector.com)
(Advantus Media Inc. and QuoteInspector.com/ Crédito: QuoteInspector.com)

A subida dos preços dos combustíveis tem sido nota dominante ao longo dos últimos seis meses. Consequências fazem-se sentir no bolso dos consumidores.

No final de Dezembro de 2021 a ARME actualizava em baixa os preços dos combustíveis. A gasolina, a partir de 1 de Janeiro, custava 134$80, o gasóleo era vendido a 107$70 e por uma garrafa de gás de 12,5kg pagavam-se 1.974$00. No espaço de seis meses tudo mudou.

No final de Maio era anunciada mais uma revisão dos preços em alta. Um litro de gasolina, em Junho, custa 190$70 e o gasóleo é vendido a 153$40. Subidas que só não foram maiores por causa do mecanismo de compensação que foi criado pelo governo.

Já a garrafa de gás butano (12,5kg) é vendida a 2.213$00. Uma subida de preço que também foi limitada pelo governo que anunciou que, até Junho e dependendo da evolução do mercado internacional, os preços do gás só poderiam aumentar um máximo de 5%.

Contas feitas, e se, no início do ano, abastecer um automóvel com 2.500$00 de gasolina dava direito a 18,5 litros de gasolina hoje o mesmo valor dá direito a abastecer o seu automóvel com 13, 1 litros. No caso do gasóleo a diferença é de menos sete litros daquele combustível por cada 2.500$00 (23,2 litros em Janeiro contra 16 litros em Junho).

Fazendo as contas de outra forma, para abastecer o seu automóvel com os mesmos 18,5 litros de gasolina com que abastecia em Janeiro, hoje, tem de pagar 3.527$00. No caso do gasóleo, para conseguir os mesmos 23,7 litros, pagam-se 3.635$00. Um aumento de 1.027$00 na gasolina e de 1.135$00 no gasóleo.

Aumentos podiam ter sido maiores

No entanto, a subida dos preços dos combustíveis poderia ter sido mais acentuada.

Segundo explicou Carlos Ramos, membro da Comissão de Acompanhamento da Crise Energética Mundial, em conferência de imprensa “se o preço de Junho fosse real, comparado com o preço de Março, preço do mercado, a gasolina passaria a ser vendida a 200$30 escudos/litro, o gasóleo passaria a ser vendido por 169$60 escudos, o fuel 380 para produção de electricidade passaria de 102$60 para 120$20 escudos. Em média todos os produtos desde o butano até o fuel teríamos então um aumento de 16,5%”.

Taxistas da capital querem ‘corridas’ mais caras

Esta segunda-feira o presidente da Associação de Taxistas da Praia anunciou a vontade de subir o preço mínimo de cada ‘corrida’ para 150$00.

“Estamos a pensar aumentar o preço sim. Já passou da hora. Já tentamos suportar, até fizemos um acordo com a Direcção Geral dos Transportes Rodoviários (DGTR) que, se conseguissem combater os clandestinos, manteríamos o mesmo preço a fim de ajudar os clientes porque sabemos que a situação de vida está complicada”, disse Adriano Monteiro à Inforpress.

“A nossa ideia é aumentar o preço mínimo para 150 escudos. O preço mínimo que se está a cobrar, neste momento, não está a acompanhar os gastos com o combustível”, frisou Adriano Monteiro, completando que o que poderá dificultar este aumento é a falta de taxímetros no mercado nacional.

“Tudo isso depende dos proprietários, porque são eles que devem comprar este equipamento. Se calhar não estão muito interessados. É a nós, os taxistas, que somos exigidos a fazer o mínimo por dia e ainda encher o depósito de combustível e nem sabem como fazemos para conseguir. Quem está sofrendo somos nós, os condutores”, pontuou.

Passes mais caros

Como consequência do aumento do preço dos combustíveis a ARME (Agência Reguladora Multissectorial da Economia) anunciou o aumento do preço dos passes dos Transportes Colectivos Urbanos de Passageiros, na Praia e no Mindelo.

Assim, desde 1 Junho, os utentes da Praia, que antes pagavam para o passe normal, 2.600$00, passam a pagar 2.900$00, o que representa um aumento de 11,5%. Já os estudantes com idade compreendida entre os seis e os 24 anos, que desembolsavam, antes, 2.100$00, pagam, doravante, 2.300$00, o que significa que houve uma variação de 9,5 ponto percentual.

Os idosos com idade igual ou superior aos 65 anos continuam a pagar os 2.100$00.

Os utilizadores dos passes em Mindelo, detentores do passe comum continuam a pagar os 3.000$00; para os estudantes com idade compreendida entre os seis e os 24 anos, o passe de autocarro passa de 1.920$00 para 2.050$00, tendo verificado um aumento de 6,8%.

Por sua vez, os jovens menores de 25 anos, que antes pagavam 2.530$00 para o seu título de viagem de autocarro, passam a pagar, a partir deste mês de Junho, 2.700$00, o que significa um aumento de 6,7%.

Os idosos de Mindelo viram os preços do passe a aumentarem de 1.640$00 para 1.750$00, o que se traduz numa variação de 6,7%.

Petrolíferas com défice

Com o governo a suspender o mecanismo de estabelecimento de preços máximos dos combustíveis, as empresas registaram, nestes primeiros seis meses do ano, um défice de um milhão de contos.

Os dados foram apresentados no início do mês pela Comissão de Acompanhamento da Crise Energética Mundial, integrada pelo responsável pelo sector de energia da ARME, pelo director-geral de Energia, um jurista do Ministério de Comércio e Energia e representante do Ministério das Finanças.

Durante uma conferência de imprensa, convocada para explicar os cálculos da actualização dos preços de Junho, Carlos Ramos, responsável para o sector de energia da Agência Multissectorial de Economia (ARME), explicou que nos três meses, Abril, Maio e Junho, foi registado o diferencial de cerca de um milhão de contos que devem agora ser pagos às petrolíferas.

Trata-se, conforme explicou, da diferença entre o preço real, ou seja, o preço que as petrolíferas compram os produtos no mercado internacional e o preço que foram obrigados a vender no mercado nacional, tendo em conta os despachos do Governo para amortecer a escalada preços dos produtos petrolíferos com a guerra na Ucrânia. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1072 de 15 de Junho de 2022. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,18 jun 2022 7:48

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  25 jun 2022 19:20

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.