Destaques da edição 838, de 20 de Dezembro

PorExpresso das Ilhas,20 dez 2017 10:16

O n.º 838 do Expresso das ilhas traz como destaque a derrota de Cabo Verde na corrida à presidência da comissão da CEDEAO. Uma aspiração que terminou este sábado, 16, com a atribuição do cargo à Costa do Marfim.

O n.º do 838 do Expresso das ilhas traz como destaque a derrota de Cabo Verde na corrida à presidência da comissão da CEDEAO. Uma aspiração que terminou este sábado, 16, com a atribuição do cargo à Costa do Marfim. O Presidente da República e o Primeiro-ministro falam de “arranjos políticos”. Já a líder do PAICV diz tratar-se de um grande derrota para o país. Leia estas e outras reacções na edição de hoje.

E chegados ao Natal, festa da família é tempo de reflectir precisamente sobre a importância da família: elemento basilar de qualquer ser humano e da sociedade. O cardeal Dom Arlindo fala da família, mas também de questões intemporais como o amor e a necessidade da espiritualidade, numa entrevista que é também uma análise às propostas e visão da Igreja sobre as relações e sobre os problemas da sociedade Cabo-verdiana.

A Boka Bedju é tema da reportagem desta semana. Durante quatro anos, 10,75% dos homicídios com recurso a armas de fogo registados no país foram cometidos com a arma de fogo de fabrico artesanal, bóka bedju. Os dados são da Polícia Nacional e compreendem o período de 2013 a 2016. Uma reportagem sobre esta arma “tão rudimentar, tão mortal”, que vai às origem e ao terreno falar com quem a produz e quem sofreu acidentes pelo seu manuseamento.

Chamada na primeira página também para o Cartão Nacional de Identificação, cuja emissão experimental vai acontecer em Janeiro, no Paul, Santo Antão. “A ideia é que tudo seja ali testado e validado para depois fazer a extensão a nível do país e da diáspora da emissão do cartão”, assegurou a ministra da justiça e do trabalho, Janine Lélis.

A lavagem de capitais é outro tema desta edição. A sub-região da África Ocidental está inundada de ameaças ligadas ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, questões que exercem grandes pressões sobre as populações. O continente começou a luta com trinta anos de atraso em relação ao resto do mundo, mas os resultados começam a ser satisfatórios, escreve o jornalista Jorge Montezinho, a partir de Dakar, na reunião do GIABA – Grupo Intergovernamental de Acção Contra o Branqueamento de Dinheiro na África Ocidental.

Na cultura, falamos com Djodje que afirma que “ é sim possível viver da música”.Talento precoce da música cabo-verdiana, Fernando Jorge Marta é, aos 28 anos, um dos mais influentes produtores e performers da África lusófona. Os vídeos com mais de 10 milhões de visualizações no Youtube e os shows lotados em importantes salas de espectáculos internacionais assim o atestam. Djodje ainda lembra com saudades o início da carreira aos 12 anos, com o grupo TC, mas sonha e trabalha com olhos postos no futuro a que associa a palavra internacionalização. É nisso que vai investir já em 2018, paralelamente à tour de divulgação do novo disco que espera lançar no primeiro semestre de 2018.

No interior, a opinião de Eurídice Monteiro em “Amazónia” e de Américo Faria Medina, que nos traz a II parte do artigo “Vulnerabilidades do hubbing”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,20 dez 2017 10:16

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  26 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.