Jovens empresários das TIC desafiados a participar no desenvolvimento económico do país

PorChissana Magalhães,5 jan 2018 15:36

O governo diz querer facilitar uma maior participação dos jovens no crescimento da economia digital e para tal convidou jovens ligados a empresas da área das tecnologias de informação e comunicação a apresentaram os seus negócios e a visão de futuro.

Com a denominação Iº Encontro com a Juventude sobre a Economia Digital, o evento teve lugar hoje na cidade da Praia, com o Ministro das Finanças, Olavo Correia, como anfitrião e representantes da Zing Developers, Doutvisions, Ihaba e Green Studio como convidados.

“É falsa a ideia de que a nossa juventude actual não está preparada, é desqualificada ou não tem a qualificação necessária”, começou por dizer Olavo Correia para logo de seguida lembrar que Cabo Verde tem jovens  empenhados e qualificados para competir no país e à escala global.

“O futuro de Cabo Verde terá de passar por cinco “peças” essenciais: a juventude, a inovação, o conhecimento, a empresa e a qualificação dos recursos humanos”, elencou o governante que acredita que, para além de referência em democracia, o país poderá vir a ser exemplo no que toca ao ambiente de negócios.

“Temos todas as condições para virmos a nos tornar um dos melhores países do mundo em matéria de criação de empresas, soluções para empresas, start-ups”, vincou. E para isso diz contar com o contributo, a irreverência, e esforço dos jovens.

Os jovens também esperam o contributo do governo. Marcos Ferreira, a representar a Doutvisions - empresa que marcou presença na mais recente edição da Web Summit, em Lisboa – pede a “devida atenção” às empresas do sector TIC e reconhecimento de que este é mais uma via para o desenvolvimento da economia.

“O objectivo aqui é levar os jovens a pensar que nem tudo está feito e que é possível sim inovar em África”, disse este empreendedor ao Expresso das Ilhas.

Um dos pioneiros na criação de aplicativos digitais em Cabo Verde, através do Ihaba, José Brito, ex-ministro Economia, Crescimento e Competitividade, marcou presença no encontro e abriu o espaço de debate chamando a atenção para a necessidade de políticas pró-activas para apoiar o desenvolvimento das empresas.

“O financiamento é o problema essencial; não temos business angels em Cabo Verde”, observou, apontando ainda a necessidade das empresas do sector TIC se conhecerem umas às outras para trabalharem juntas e se apoiarem na internacionalização.

A internacionalização foi uma meta apontada por todos os representantes das empresas intervenientes, sendo que algumas destas já deram passos importantes neste sentido.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Chissana Magalhães,5 jan 2018 15:36

Editado porChissana Magalhães  em  5 jan 2018 17:50

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site