Maior extinção da História. Identificado culpado que aniquilou quase toda a vida da Terra

PorExpresso das Ilhas,1 nov 2020 8:16

Técnicas analíticas de ponta e modelos geoquímicos inovadores reconstruíram conclusivamente toda a cascata de eventos na maior extinção da história da Terra.

Há cerca de 252 milhões de anos, a maior extinção da história da Terra marcou o fim da Época Permiana e o início da Época Triássica. Cerca de três quartos de toda a vida na terra e 95% da vida no oceano desapareceram em apenas alguns milhares de anos.

As gigantescas atividades vulcânicas na Sibéria de hoje e a libertação de grandes quantidades de metano do fundo do mar há muito que são debatidas como possíveis gatilhos para a extinção Permiano-Triássica, conta o site zap.aeiou.pt. Porém, a causa exacta e a sequência de eventos que levaram à extinção em massa permaneciam altamente controversas.

Agora, uma equipa de cientistas da Alemanha, Itália e Canadá, chamada BASE-LiNE Earth, investigou um arquivo ambiental frequentemente negligenciado: as conchas fósseis de braquiópodes, organismos semelhantes aos moluscos que existiam na Terra há mais de 500 milhões de anos. Medindo diferentes isótopos do elemento boro em conchas fósseis, a equipa rastreou o desenvolvimento dos valores de pH no oceano há 252 milhões de anos. Como o pH da água do mar está intimamente ligado à concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, a reconstrução deste último também foi possível.

“Com esta técnica, podemos não só reconstruir a evolução das concentrações atmosféricas de CO2, mas também rastreá-la claramente até à atividade vulcânica. A dissolução de hidratos de metano, que foi sugerida como uma possível causa adicional, é altamenteimprovável, de acordo com os nossos dados”, explicou Marcus Gutjahr, investigador do GEOMAR e co-autor do estudo.

Como próxima etapa, a equipa alimentou os seus dados de boro e estudos adicionais baseados em isótopos de carbono num modelo geoquímico baseado em computador que simulava processos na Terra na época.

Os resultados mostraram que o aquecimento e a acidificação dos oceanos associados à imensa injeção de CO2 vulcânico na atmosfera já eram fatais e levaram à extinção de organismos marinhos calcificantes logo no início da extinção.

No entanto, a libertação de CO2 também trouxe consequências adicionais. Com o aumento das temperaturas globais causado pelo efeito estufa, o intemperismo químico na Terra também aumentou.

Os cientistas analisaram que mais de 100 mil milhões de toneladas de carbono atingiram a atmosfera, o que acabou por envenenar muitos organismos vivos – tanto na terra como na água.

“Este colapso semelhante a um dominó de ciclos e processos de sustentação da vida interconectados eventualmente levou à extensão catastrófica observada de extinção em massa na fronteira do Permiano-Triássico”, rematou Jurikova. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 987 de 28 de Outubro de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,1 nov 2020 8:16

Editado pormaria Fortes  em  1 nov 2020 8:16

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.