Guerra na Ucrânia duplicou ciberataques de estados contra infraestruturas

PorExpresso das Ilhas, Lusa,8 nov 2022 8:15

A invasão russa da Ucrânia e a guerra que se seguiu duplicaram os ciberataques por parte de estados contra infraestruturas, sendo principalmente executados por Moscovo, refere um relatório divulgado esta segunda-feira pela Microsoft.

Durante 2022, os ataques informáticos praticados por nações contra infraestruturas passaram a representar 40%, face aos 20% registados em 2021.

De acordo com o relatório da Microsoft, este aumento deve-se em grande parte ao objectivo da Rússia em danificar infraestruturas ucranianas, bem como à espionagem russa "agressiva" dos aliados da Ucrânia, incluindo os Estados Unidos, para danificar infraestrutura digital.

Moscovo também acelerou as suas tentativas de acesso a empresas de tecnologia para impedir o seu correcto funcionamento ou para obter informações dos clientes governamentais dessas empresas, principalmente das que são membros da NATO, como é o caso de Portugal.

Segundo o relatório, 90% dos ataques russos detectados pela Microsoft este ano tiveram como alvo os países membros da NATO.

Além da Rússia, a Microsoft também identificou o Irão, a Coreia do Norte e a China como três outros países que também aumentaram significativamente os seus ataques cibernéticos contra infraestruturas.

A ofensiva militar lançada a 24 de Fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.490 civis mortos e 9.972 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,8 nov 2022 8:15

Editado porAndre Amaral  em  1 dez 2022 23:28

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.