Afinal "Burnout' continua fora da lista de doenças da OMS

PorExpresso das Ilhas,30 mai 2019 7:08

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta segunda-feira que passou a incluir na lista de doenças o 'burnout', estado de esgotamento físico e mental causado pelo exercício de uma actividade profissional. Entretanto, na terça-feira, um porta-voz da Assembleia-geral da organização veio esclarecer que o burnout continua classificado como "factor que influencia a saúde", ou seja, uma síndrome.

A entrada do 'burnout' (ou stress profissional) na nova classificação internacional de doenças da OMS,  a vigorar a partir de 1 de Janeiro de 2022, foi noticiada na segunda-feira, 27.

Segundo a Lusa, a nova classificação estaria baseada nas conclusões de peritos de saúde de todo o mundo tendo sido adoptada pela Assembleia-Geral da organização, que terminava na terça-feira em Genebra, na Suíça.

"Na classificação internacional de doenças da OMS, que serve de base para as estatísticas de saúde, o 'burnout' surge na secção consagrada aos "problemas associados" ao emprego e desemprego, sendo descrito como "uma síndrome resultante de 'stress' crónico no trabalho que não foi gerido com êxito. A doença, de acordo com a OMS, caracteriza-se por "um sentimento de exaustão, cinismo ou sentimentos negativistas ligados ao trabalho e eficácia profissional reduzida", escreve a agência noticiosa. 

Entretanto, outras notícias dão conta de que nesta terça-feira (28) um porta-voz se pronunciou para fazer uma correcção e explicou que o 'burnout' já estava na classificação precedente, no capítulo "Factores que influenciam a saúde".

"A inclusão neste capítulo significa precisamente que o 'burnout' não é conceitualizado como uma condição médica, mas como um fenômeno ligado ao trabalho", cita o jornal G1 a nota enviada à imprensa pelo referido porta-voz. 

A definição do 'burnout' foi agora modificada dado à actualização de pesquisas. O problema passa a ser descrito como "uma síndrome resultante de um stresse crónico no trabalho que não foi administrado com êxito" e que se caracteriza por três elementos: "sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados ao seu trabalho e eficácia profissional reduzida".

O registro da OMS explica que o esgotamento "se refere especificamente a fenômenos relativos ao contexto profissional e não deve ser utilizado para descrever experiências em outros âmbitos da vida".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,30 mai 2019 7:08

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  30 mai 2019 7:08

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.