Migrantes ilegais têm três meses para abandonar Israel

PorLusa,3 jan 2018 13:31

O Governo israelita avisou hoje que os milhares de africanos que entraram ilegalmente em Israel têm três meses para abandonar o país e que, caso contrário, serão detidos.

A Autoridade para a População e Imigração (PIA, na sigla inglesa) israelita, dependente do Governo, já apelara esta semana aos migrantes oriundos do Sudão e da Eritreia para regressarem aos países de origem ou para um terceiro Estado, dando como exemplo o Ruanda ou o Uganda.

Os que abandonarem o país dentro do prazo serão recompensados com 3.500 dólares (2.912 euros), bem como com o bilhete de avião e outros incentivos.

A Linha de Apoio aos Trabalhadores Migrantes, um grupo de advocacia israelita, condenou na terça-feira a decisão, alegando que as ordens de expulsão "põem em risco a vida dos refugiados".

Milhares de africanos entraram em Israel antes de as autoridades israelitas terem erguido uma rede de protecção ao longo da fronteira com o Egipto.

Muitos deles garantiram que estavam a fugir de conflitos e de perseguições políticas, procurando em Israel o estatuto de refugiado.

No entanto, Israel considera-os infiltrados e defende que muitos deles abandonaram os países de origem por questões financeiras.

Para as autoridades israelitas, a grande quantidade de migrantes africanos "pode prejudicar e ameaçar o carácter judaico".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lusa,3 jan 2018 13:31

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.