Frelimo diz que morreu um "parceiro estratégico para a paz"

PorLusa,4 mai 2018 7:11

A Frelimo, partido no poder em Moçambique, considerou hoje o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, um parceiro estratégico para a paz e estabilidade, lamentando a morte do líder do principal partido da oposição.

"Para nós, colheu-nos de surpresa e com muita dor, era um parceiro estratégico para a paz e estabilidade no país", afirmou o porta-voz da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), Caifadine Manasse, em declarações ao canal privado STV.

Caifadine Manasse assinalou o empenho de Afonso Dhlakama no alcance com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, de um entendimento para uma proposta de revisão pontual da Constituição da República sobre o aprofundamento da descentralização do país.

"Tudo indicava que ele estava a percorrer um caminho para a paz", acrescentou Caifadine Manasse, pedindo serenidade e compromisso com a paz aos membros da Renamo.

"A Renamo vai-se reorganizar, eles têm interesse em ver esta paz", enfatizou.

A morte do líder da oposição em Moçambique foi confirmada por fonte partidária à Lusa ao princípio da noite, pelas 16:30 (hora de Cabo Verde), em Maputo.

António Muchanga, dirigente da Renamo e ex-porta-voz, disse ter recebido uma primeira informação pelas 16:00, mas sem detalhes sobre as circunstâncias da morte.

Dhlakama vivia refugiado na serra da Gorongosa, no centro do país, desde 2016, tal como já o havia feito noutras ocasiões, quando se reacendiam os confrontos entre a Renamo e as forças de defesa e segurança de Moçambique.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lusa,4 mai 2018 7:11

Editado porAndre Amaral  em  5 mai 2018 11:14

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.